segunda-feira, 26 de março de 2018

Sobre os 40 anos e os pôneis velhos.



Bate os 40, a memória começa a falhar, a visão a nublar; a pele se cansa, descansa e desaba; o cabelo exige dez vezes mais cuidados, muita química quebra, pintar demais, arruína, se ficamos estressadas, ele cai. A coluna já não é uma Brastemp, se forçar demais, não volta. Mudamos a alimentação para evitar qualquer coisa que se possa evitar. Nossas noitadas não podem passar da meia noite, sob pena de virarmos zumbis exauridos o resto da semana, Na vida dos novos idosos, Netflix é rei. Já nem pensamos nas malditas celulites, elas venceram afinal. Mudamos o foco, da bunda para cabeça. Agora estamos preocupadas mesmo com as manchas na pele e as rugas que brotam rasteiras. A memória se esvai lentamente a cada rosto que fingimos lembrar, sem agenda não rola, lembrar nome virou loteria. Os dentes também exigem cuidados, afinal com rugas, celulite, gagás, esquecidas, ceguetas, e desdentadas não dá!
Para completar quando a gente envelhece, encolhe. Eu comecei sutilmente a encolher e meu nariz anda crescendo, basicamente um pônei velho, só não fiquei surda ainda.
Terceira idade é o óh, ainda bem que existem as selfies e suas edições para nos salvar do naufrágio completo. Se por ai eu te encontrar e não reconhecer, perdoe, os 40 anos me atingiram em cheio.
Andréa Beheregaray

sábado, 24 de março de 2018

O tipo de gente que eu gosto.




Gosto de gente assim,
quer, quer,
não quer, não quer.
Sem disse que disse,
sem chove e não molha.
Tá incomodado, fala
Tá atrasado, corre
Tá magoado, diz
Tá interessado, vai à luta
Gosto de gente assim
Sem nhénhenhem e sem frescura
Que fala o que quer
E esta preparado para ouvir
o que não quer
Sem desmoronar
Gosto de quem
Não tenta agradar a todos
Porque sabe que todos
De fato, não importam
Ou se importam com a gente
De verdade
Que a verdade arde feito
Metiolate
E que importância a gente
Dá pra quem está na luta
ao nosso lado
Gosto de gente assim
Que não se vitimiza
E não responsabiliza
O mundo pelo que é seu
Que assume a sua parte
Gosto dos inconformados
De gente que vai a luta
E não desiste
Até a última alternativa
Que corre atrás do que
Quer e acredita
Gosto dos apaixonados
De gente
Que não economiza afetos
Que se desculpa de coração inteiro
E diz sem medo o que sente
Que não faz jogos no amor
Gosto de gente
Que não corre da raia
E não vira a casaca
Que não se acha mais que os outros
Que assume o ridículo da vida
E a mediocridade de si mesmo
Que respeita e se faz respeitar
Gosto de gente assim
Que dá nó em pingo d`água.
Que detecta o problema
E busca solução
Não enrola,
Não faz fita, não faz manha,
que sabe bem o que quer.
Gosto de gente assim,
pão, pão, queijo, queijo
Que é ou não é
Que sabe que não vida
O problema não é ter problemas
Mas sim a condição de lutar.
Andréa Beheregaray.