Sombra - Jung.




Essa frase contem profundo conhecimento. Projetar a sombra pessoal nos demais é fonte de sofrimento, discórdia, preconceito e não aceitação das diferenças, tanto nas relações pessoais e familiares, quanto nas relações sociais.
Marginalizar, segregar, excluir e ofender o diferente passa pela projeção da sombra daqueles que se acreditam corretos, senhores da verdade. Dos rígidos de toda ordem, moralistas de plantão, daqueles que acham que o único modelo de vida moral e digno é o seu.
Pessoas assim, incapazes de aceitar, compreender, viver e sentir a diferença como construtiva que são fonte da violência social.
É só quando aceitarmos em nós nossa natureza complexa, ambivalente, 'suja', invejosa, violenta e vil é que estaremos aptos a transformar a realidade social que nos cerca sem discursos ou moralismo barato, mas de forma construtiva e efetivamente transformadora.
Não somos tão bons quanto gostaríamos de ser, nem tão ruins a ponto de não sabermos conviver com nossa sombra. É ela, é só através dela, que evoluímos. Quando aceitamos nossas falhas e pecados é que deixamos de cuidar e apontar os erros da vida alheia e então nos preocupamos com o que realmente importa. Paramos de apontar os outros e cumprimos a difícil tarefa de apontarmos a nós mesmos, e só assim podemos ser realmente melhores abandonando a fachada de bons.
Andréa Beheregaray.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos