A dor da separação- quando amor acaba.





Quem nunca se separou, talvez não compreenda o que vou dizer.Separar-se é um ato de coragem. Ninguém casa pensando em se separar, mas muita gente que se separa pensará duas vezes antes de casar de novo por medo de enfrentar outra vez a dor de uma separação. Chegamos ao mundo e nosso primeiro grande ato de vida, o nascimento, é marcado pelo choque da separação. Partimos da vida embalados pela mesma  força de ruptura.  

Não quero falar aqui do que vem depois da separação, nem do quanto ela é necessária para que possamos continuar vivendo. Separa-se assim como na hora do parto é, muitas vezes, o movimento necessário para que possamos encontrar um novo folego de vida. Muitos dos que não ousam, secam, perecem em vidas estereis e mornas, um tipo de morte em vida.A separação, em alguns casos,pode ser até um alívio, mas nem por isso são menos dolorosas. Mas também não é disso que quero falar, do que vem depois, dos benefícios das mudanças, da necessidade de deixar o que já não pulsa para trás. Hoje não vou dizer que tudo passa, porque cedo ou tarde passa, hoje quero falar da ruptura, do despedaçamento que antecede o 'começar de novo'. 

Separa-se é a reestruturação completa da imagem que fazemos de nós mesmo, é a construção de uma nova identidade a partir dos estilhaços deixados pela casa vazia após a partida do outro. É cortar a própria carne e reaprender a viver. Abandonar o conhecido, seguro, habitual, trilhar novos caminhos. É pensar a si mesmo mundo através de uma nova perspetiva.  

Separação é a perda de referências, mudança de rota, de rumo de vida. É abrir mão do conforto das certezas, de tudo o que foi planejado. Separar-se é reescrever o roteiro,mudar de rotina, fazer novos caminhos. É esvaziar o carrinho do supermercado e não levar pra casa mais os produtos que antes o outro gostava, é perceber comida sobrando, diminuir a quantidade. É frequentar outros lugares, novos lugares, para não esbarrar na lembrança do outro, abrir mão de amigos de casal, é deixar de ser casal e descobrir quantos amigos de verdade você tem afinal. É perceber que depois do fim, mesmo com a cama vazia, você ainda dorme no lado de sempre, é mudar o guarda roupa e descobrir que o vazio é de outra ordem. 

Separa-se é suportar ser desamado, esquecido, deixado para trás. É perder o lugar de referência, deixar de fazer parte da família do outro.É carregar o peso dos erros tentando transformá-los mais tarde em experiência. É esperar o tempo certo para abrir o baú de lembranças e rever os bons momentos. Separar-se é abandonar a aposta, abrir mão dos planos futuros, suportar a morte dos sonhos.

Separação se faz nos detalhes. Reconstrução diária de uma vida deixada para trás. É passar pela experiência da dor e do desamparo para poder realmente começar outra vez.Atravessar a experiência do luto conscientes da dor nos faz mais fortes para seguirmos em frente sem pesos, culpas ou fantasmas. 

Os dias de sol virão certamente, pois assim como o amor é uma experiência transformadora, a separação também o é. Mas diferente do amor, a separação precisa ser atravessada sozinha e por isso se torna tão reveladora de sentido no nosso processo de autoconhecimento. A separação é um enfrentamento pessoal, um confronto diante do espelho, um teste de forças, gesto de coragem e honestidade com nós mesmos.Separar-se por mais doloroso que seja, é um gesto de vida e reencontro e descoberta com o que é afinal verdadeiro e essencial em nós.   


Andréa Beheregaray.
      


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!