Carne.











Cortei a carne e arranquei o coração
com as mãos, deixei ali batendo
para que pulsasse até morrer
diante dos meus olhos.

Superei o ímpeto e o desespero
de vê-lo aos poucos sangrar até
finalmente parar.

E então da dor profunda
eu me transformei no que sou hoje.
No que tinha que ser.
Essa mulher que pulsa
e busca um novo jeito de ser
amor.

Andréa Beheregaray.

Comentários

  1. Muitas com essa dor, deixam de viver, eu mesma fiz isso no passado. Mas com uma boa terapeuta, dei a volta por cima!
    Bjoks

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Árvores Floridas