Cafe com psicologia.








"O sujeito perverso não consegue reconhecer o belo, o raro, e o sincero. Duvida de tudo, das intenções de todos, projeta no mundo sua forma interesseira de se relacionar, perverte o amor por que é incapaz de sentí-lo. Do amor só ouviu falar, tem vaga ideia. Falta-lhe, o essencial, o que nasce no vínculo primeiro, do olhar da mãe e na confiança de seu amor. Quando a falha se instalou ai o mundo se torna um lugar sombrio e perigoso pois o sentimento de confiança básica não se instalou, passamos então a duvidar do amor de todos, afinal não sentimos confiança no amor básico e primeiro. O sujeito perverso perverte o amor pois se sabe incapaz de vivê-lo".
                                                                                                             


                                                                                                               Andréa Beheregaray.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Amores mortos