Memórias.








Com o tempo — no tempo — aquelas semanas que haviam passado juntos se apagariam e ficariam reduzidas a um segredo enevoado, um guardado de pequenas riquezas para ser aberto e tocado em momentos calmos e silenciosos. E nada mais, pois a vida é sentida pelo poder das memórias vivas, as que adormecem perdem o significado.
Ninguém sabia disso melhor do que ele.


Robert Ludlun in “A identidade Bourne”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Amores mortos