Truques do desejo



 
Era arrebatador e sabia disso. Tinha nascido equipado com todos os instrumentos para moer corações de mocinhas ingênuas e sonhadoras, e moia. Andava no limite com seus olhos sempre plenos de solidão. Fio de navalha embaixo dos meus pés descalços. Gostávamos do jogo, o jogo de não fazer jogo, puro gozo. Jogadores experientes do prazer parcial, deliciosas jogatinas no ir e vir do desejo. Estrategistas natos, não tivemos outra saída a não ser o jogo aberto. Vaidoso demais para se fazer de tolo, inteligente demais para lhe desmentir. Mantínhamos a corda esticada sobre o abismo do prazer puro. O amor era um luxo que não nos permitiríamos. Jogar foi o jeito que encontramos de nos distrair da ensurdecedora clareza do que somos nós. 




Andréa Beheregaray


Comentários

  1. Sério, bem minha vida, bem real, sem florear demais. Sendo apenas válvulas de escape, apenas uma fuga um pro outro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Amores mortos