Quem acredita no amor.


 
 
A mentira gosta das almas covardes, como a prepotência é sempre um sinal dos fracos. Nem todo sorriso é sinal de alegria, como nem toda mão que treme é de um desesperado. Quem acha graça da desgraça alheia, não está feliz com sua própria graça, assim como nem sempre é triste quem chora diante da morte. O olhar parado da pessoa injustiçada, não é um sinal de concordância, como oferecer um cigarro, não é sinal de amizade. Um grito assustador, nem sempre vem de quem tem medo, como nem toda força pertence ao mais sábio. Quem revida com violência quase nunca está certo, assim como não há sanidade na dor do pai ou da mãe. As palavras não dizem a ternura, como o silêncio diz a força de quem está certo. Adoece quem acha que as coisas são mais importantes do que o caráter, assim como é lixo tudo o que mora no luxo da riqueza só de dinheiro. Toda mulher é uma constelação de mistérios, cores e sensibilidades, como todo homem é dotado da capacidade de rever seus erros e acreditar na força da tolerância. Não há verdades confessadas, como não há mentiras encobertas, porque sabemos o que fazer, sempre sabemos o que fazer, mesmo quando a gente não quer fazer, a gente sabe. Quem acredita no amor transforma toda dor em coragem, toda queda em um passo, toda agressão em sorriso, toda resistência em leveza, assim como, quem não acredita no amor, sempre sabe que, no fundo, está esperando alguém que acredite... JM

Comentários

  1. Maravilhoso texto (com permisso)
    publiquei no meu blog http://chebolas.blogspot.com.br/
    muitas boas reflexões
    Namastê

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Andrea!!! Você disse tudo em um texto perfeito!!!
    O ser humano se camufla demais, às vezes por medo, outras por autodefesa.. acho q tá mais que na hora dessas máscaras caírem.
    Amei!!!
    Bju e ótima semana!

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso, estou te seguindo! Por acaso vi uma frase tua no face e compartilhei,assim descobri que tu é prima da Gabe ^^ beijão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Amores mortos