Diários revelados.






Tudo desmorona e eu permaneço calma. Observo o chão ruir ao meus pés, mil pedaços. Penso em você. Essa noite sonhei que procurava o número do seu telefone e não encontrava. O encontro marcado que não poderia confirmar. Combinamos o lugar e agora não saberia dizer onde. Quando perceber minha ausência então você fará essa ligação ou voltará.
Tudo é calma, nunca me senti assim antes diante de uma tempestade iminente. Será certeza, confiança de que tudo acabará bem? Não, sei que tudo vai acabar e mesmo assim permaneço calma. Talvez por que preveja e destruição fora, dentro tem algo muito sólido, que me sustenta.
Observo, apenas observo-me. Atenção extrema as minhas emoções. A falta ou não que você faz, a minha capacidade de ser alegre na sua ausência, emoção que sinto quando olho em teus olhos. Os outros, os rostos, os jeitos, os cheiros, os tipos, todo gesto fica em evidência.
Nunca entreguei assim a vida nas mãos do destino, até por que sempre desconfiei que a crença no destino nada mais é do que passividade disfarçada, desejo de não se comprometer, de fazer escolhas. Ação ou omissão, palavra ou silêncio são formas de escolher.
Mas agora essa minha total ausência de vontade de controlar. Eu que sempre levei a vida com a mão firme, solto na corrente os processos da vida, que sejam. 
Assisto as cenas e sei que poderia reverter, conduzir, encaminhar para o resultado que quero e no entanto não o faço! Não levanto a mão para conter a pedra que rola e ameaça desmoronar toda a estrutura. Estou espantada comigo, apenas deixo o barco correr. 
Não vou interferir nos sentimentos de ninguém, sem obrigações ou insistências, eu quero o desejo puro. Sem avanços ou recuos, sem forçar ou desistir, do amor quero a dança. 
É como colocar a mesa do café enquanto, por trás dos meus ombros, orquestra-se a tempestade. É como preparar a casa e sentar para ler o jornal aguardando a destruição que se avizinha. E eu não tenho mais medo.
Trata-se do meu desejo agora. Estou profundamente ligada ao meu desejo. Uma vida inteira de controle e agora eu só quero estar mergulhada no que sou e no que sinto.
Estar perto de ti, tem me levado a estar muito próxima de mim. Se fora ameaça desabar, dentro sou solidez. Sinto a vida se expandindo e estou curiosa para ver no que vai dar.               

Comentários

  1. Que texto instigante!!!! Gostei demais...talvez até tenha me indentificado com ele, não sei, sei lá...!!!
    Continues escrevendo!!!
    Continuarei lendo!
    Gracias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, bacana né ...
      Como disse Caio (Difícil aprisionar os que têm asas )

      Excluir
  2. Andréa... Sinto muitas vezes em teus textos um confronto entre o "eu que pensa" e o "eu que sente"...Como se houvesse 2 paradigmas, um que oprime e se equilibra sobre o sensato e o racional e outro que liberta e se joga sobre autentico e descontrolado. Como se dentro de cada carneiro exista um leão...Mas me diga uma coisa, por que motivo levamos uma vida inteira de carneiro e curtimos apenas alguns momentos de Leão? Seria o carneiro mais forte? O leão não passa de um delírio? Eu que ser leão o tempo todo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Fábio ...
      Creio que um alimente o outro
      Abraços

      Excluir
  3. Enquanto ouver mentes brilantes como a sua a qual posta coisas maravilhosas havera sempre um balde de gelo no qual podera com poucas ou muitas palvras expor seja lá como for aquilo que sua linha da imaginação possa ela crias sempre estara parte daquilo que és daquilo que nos revela numa simples imagem assim como ti na sua mais pura simpliscidade de mulher que és no intimo que fora criada posta sempre algo refenciando a fragelidade a força e as virtudes da mulher naquilo que és mulher.........bj linda
    convido-a a fazer parte do meu blog.....
    se ja faz.....sera sempre bem vindo linda

    ResponderExcluir
  4. Nossa, adorei! Meu atual momento.Bem por aí!... :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!