Eu sou a favor da eutanásia.








Você conhece o livro Cartas do Inferno de Ramón Sampedro? Pois deveria. Esse livro, que deu origem ao filme Mar Adentro, é fundamental para quem quer refletir sobre o tema da eutanásia. O livro, mistura de narrativa, cartas e poemas é profundamente impactante. Cada página é uma bofetada.   

Eu sou a favor da eutanásia. 

A maioria teme a morte e se acovarda. As pessoas se recusam a participar do processo da eutanásia. Não querem se sentir responsáveis, não querem sujar as mãos de sangue, acima de tudo não querem sentir culpa.

Em nome de Deus argumentam que o sofrimento purifica, não há nada mais perverso do que querer impor sofrimento extremo a alguém em nome de uma crença e/ou um Deus. Não reconheço esse Deus perverso e punitivo que impõe dor a seus filhos para purificar-lhes. Essa idéia de purificação pelo sofrimento esta na base de grandes males da humanidade. A decadência e ineficiência do Direito, por exemplo, esta impregnado desta ideia nefasta.  O Direito, que se pretende laico, não pode negar a uma pessoa consciente o direito a eutanásia. Ramón era extremamente lúcido, mais lúcido que muita gente, passou mais de 25 lutando por isso mas a justiça lhe negou este direito. Viver ou morrer é uma escolha, não podemos impor nossas crenças à ninguém, nem a justiça julgar um caso assim pelo viés religioso.  
Quem realmente sente amor liberta os seus do sofrimento de uma vida indigna, de uma morte lenta e terrível. Permitir que quem se ama possa escolher a morte é uma demostração profunda do amor desprovido de egoísmo.

A eutanásia, que significa boa morte, é o triunfo da razão sobre o absurdo, como disse Rámon. Aquele que sofre, que se encontra na mais terrível prisão, a da mente em um corpo morto. O homem consumido dia a dia pela doença que, finalmente irá lhe devorar a própria condição humana transformando-se em um vegetal, tem o direito sagrado de morrer.  

O direito a morte é o maior ato de amor com aqueles que sofrem e dependem, aqueles que sofrem e podem escolher, aqueles que sofrem e morrem lentamente. 

A eutanásia é um direito sagrado, o triunfo do amor sobre o absurdo.





Andréa Beheregaray

Comentários

  1. Andréa,

    As vezes passo tão rapidinho que acabo por não comentar nada... Mas o blog continua uma maravilha para refletir!
    A indicação de livro entrou para a minha lista.
    Abs,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos