Auto-retrato.



Comungo, parênteses, palavrinha feia essa, comungo, mistura de resmungo com fungo,  melhor dizer concordo. Concordo com Clarice Lispector quando diz que "eu sou um mistério para mim mesma". Me identifico com isso, busco arduamente me conhecer...pausa novamente, arduamente lembra mente que arde - oh se arde - dói também! Tudo isso pra dizer que, apesar de tudo isso, alguma coisa eu já sei de mim.

 

Por exemplo, jamais saio de casa sem lápis de olhos, posso sair sem sapatos, sem brinco, sem esperança, mas nunca sem pintar meus olhos. Acho que cabelo é vital, eu sem os meus, lembraria muito um exú tranca rua. Viva os cabelos, aleluia, aleluia. 
Tenho horror de gente lenta em buffet de restaurante, sinto vontade de empurrá-las. Acho péssimo homem de sunga,  me lembram "churipans" embrulhados. Nunca deixo ninguém furar a fila na minha frente, jamais. Bato no ombro, mando para trás. Tenho uma adoração irracional por filmes de zumbis. Acho Londres fantástica, adoro histórias da realeza e amo mitologia grega. Sou viciada em café, tenho síndrome de abstinência quando não uso, minha droga.  

Carrego pouquíssimas culpas, tão poucas que nem me lembro agora. Faço malas incrivelmente pequenas.  Perdoo mais facilmente a mim do que aos outros. Uma mão apenas para guardar os meus amores, a outra para tocar os amigos. Amo meus amores, poucos, bons e mágicos.
Não tenho dificuldade de assumir sentimentos negativos e nem de expressá-los. Acredito que agressividade trabalhada é energia de caminhada, magoa falada é magoa elaborada, portanto passada. E o que não acumula me deixa mais leve.


Acho que mulher tem que ter o mínimo de burguesia, caso contrário, vai achar normal ter pelos nas curvas do corpo e em locais estranhos. Acho corpo um negócio interessantíssimo, muito feio por dentro e frágil, mas também fascinante, milhões peças conectadas funcionando. Não me peso, mas me cuido. Não engordo para não desperdiçar calça e tenho hórror com acento de malhar!


Acho que uma das pessoas mais sábias do mundo foi a que disse: cada macaco no seu galho! Meu lema. Não gosto de invadir o espaço dos outros e detesto que invadam o meu. Em TPM, no entanto, viro um trator desgovernado fazendo tudo o que há de errado e concertando depois, quando possível. A astróloga disse espantada "quem olha não imagina!". É que uso uma boa maquiagem e quem olha não imagina as intensidades que me compõe. 


Acredito que ter fé é acreditar no invisível e o único invisível em que acredito é no amor. O amor também é minha única religião. Amar é um ato de coragem. Amar demais é perigoso, mas amar de menos pode ser fatal. Uso expressões religiosas no lugar de exclamão: Jesus me benze! Meudeusdocéu! Jesusmescute! Sãojorgemeproteja!

Ando cada vez mais convencida de que nas primeiras relações longas, casamos com quem casa com a nossa neurose da gente e só depois, lapidados pelos conflitos desse tipo de encontro, podemos fazer uma escolha afetiva mais saudável ou "por amor". E que algumas pessoas escolhem parceiros que se encaixem em suas vidas e seus planos, que isso, em certa medida é bacana, mas muitas vezes é apenas a postura de alguém acomodado, controlador e, portanto, medroso.

Amo macacos, corujas e papagaios, mas se eu fosse um bicho, seria um passarinho. Em TPM sou um demônio, as vezes, quando não estou, também. Em TPM minhas verdades ficam alteradas, meus ataques brutais, minhas sentenças dramáticas, meus amores findos, minhas amizades rompidas, meus desejos homicidas e tudo é pra ontem ou nunca mais. 

Não costumo ter pena de quem não tem pena de mim e a pena que sinto nunca é maior do que a minha dignidade. Não gosto de perder tempo com quem não tem tempo para me oferecer. Não gasto palavras com quem não honra a sua. Não dou amor pra quem não tem pra dar. Não poupo esforços para auxiliar alguém indefeso. Só faço concessões por amor. Tenho horror a dar explicações e o ciúmes para é morte certa.

Acho as crianças de uma sabedoria infinita. E os velhos de dois tipos, os sábios que souberam aproveitar as lições da vida e os rabugentos que acabaram não realizando seus sonhos e por isso endureceram.

Quero deixar de herança aos meus filhos o respeito pela diferença, o amor pelos livros, a paixão pela liberdade, a coragem para enfrentar a vida e a capacidade de manter acesa a chama da curiosidade. Não sou amiga dos meus filhos, sou mãe dos meus filhos, o que significa ser amiga mas vai muito mais além.Não tenho medo de lhes fazer oposição, o amor também consiste no não. . A boa mãe é "má" também. 

Escolho minhas lutas e jamais tento apagar as marcas de minhas batalhas. Que a palavra interesse não se disfarce de justiça, que eu possa lutar em nome do que acredito, mas que eu também o faça quando eu não tiver nada à ganhar. São muitos os homens que gritam uma injustiça quando esta os atinge, poucos, no entanto, os que se levantam quando o mal atinge um desconhecido. Que eu não perca essa coragem pois desta forma me perderia. Que teu filho seja o meu filho enquanto este não puder se defender, que o meu filho seja o teu filho também. Isso que escrevi é certamente uma prece aquariana!

Desde pequena fui abençoado pelo princípio do "não estou nem ai", cresci livre por isso e me mantenho. Acredito que aquele que se preocupa muito com as aparências, geralmente é aquele que tem mais à esconder. Levo a vida do meu jeito, minha receita é não ter receita. E vamos em frente, não me lamento. Não me lamento nunca.

Não gosto de lamúrias. Nem de gente que tem opinião formada sobre tudo, me lembram formas fechadas. Opinião formada é mente lacrada, não cresce, não muda e o que não se transforma, morre. Minhas idéias são malháveis, não tenho nenhum problema em mudar de opinião, desde que os argumentos sejam bons. Deixo muita coisa em aberto, as idéias também tem seu tempo de amadurecer.

Sou extremamente intuitiva, sei de coisas que não sei dizer, descubro outras que nem queria saber! Tenho a alma-detetive, estou sempre descobrindo e indo, indo, indo...e quando dá, sorrindo!    

Realizei quase todos os meus desejos, preciso logo renová-los! Pois enquanto houver desejo há caminho!! Eu desejo, eu desejo, eu desejo e de forma, muitas vezes misteriosa e até um pouco mágica, eu os realizo. Eu desejo e me sinto viva.Eu vivo o meu desejo e sigo em frente.
Eu sei pouco de mim,
e desejo manter o meu mistério.
O Eu-mistério.
E mais além.







Comentários

  1. Palmas para uma mulher linda, verdadeira e fascinante!!!
    Amiga, vc é de uma sabedoria incrível!!!
    Quero ser assim qndo eu crescer!! rsrsrs
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Teresinha Oliveira4 de setembro de 2011 09:20

    Muito em comum e outros muitos tantos não. Teresinha, foi um prazer te conhecer.

    ResponderExcluir
  3. Gurias, espelhos, espelhos...reflexões meus nos seus, seus nos meus!!

    Um beijo grande!

    ResponderExcluir
  4. lindona, tirando a TPM, que não tenho, temos muita coisa em comum, rsss

    Beijos, ótima semana.

    ResponderExcluir
  5. Texto lindo Andréa!!!
    Me identifiquei diversas vezes.

    Adorei o Eu-mistério!

    Beijos flor!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!