sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Diagnósticos - Somatização.





Somatização.

"Choro trancado
é lágrima petrificada
presa do lado
de dentro
que se acumula
e se materializa
no corpo
em forma de doença."




Da série,
Diagnósticos


Andréa Beheregaray

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Truque do desejo.




"To com saudade de você
Debaixo do meu cobertor
De te arrancar suspiros
Fazer amor.

To com saudade de você
Na varanda em noite quente
E do arrepio frio que dá na gente
Truque do desejo,

Guardo na boca o gosto do beijo"
 
 
 
Palpite
 
Vanessa Rangel

Escuta, escuta...Ainda bem - Marisa Monte!

O clipe poderia se chamar
O leão e a gazela.
Lindos.

O cara luta como um leão 
e ainda dança!!
*
Ela sempre maravilhosa
Ele nasceu pra ser chamado de "rei"
Sensacional.

Amei a música
Adoro essa batida.






Ainda bem
Que agora encontrei você
Eu realmente não sei
O que eu fiz pra merecer
Você


Porque ninguém
Dava nada por mim
Quem dava, eu não tava a fim
Até desacreditei
De mim


O meu coração
Já estava acostumado
Com a solidão
Quem diria que a meu lado
Você iria ficar


Você veio pra ficar
Você que me faz feliz
Você que me faz cantar
Assim


O meu coração
Já estava aposentado
Sem nenhuma ilusão
Tinha sido maltratado
Tudo se transformou


Agora você chegou
Você que me faz feliz
Você que me faz cantar
Assim

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A arte de escrever - Dica de leitura.





Eu sou uma mulher do meu tempo.
Escrevo sobre temas do meu tempo
Para pessoas do meu tempo.

Mas fascinantes mesmo são os escritores atemporais.
Aqueles que escrevem algo em 1800 e tanto, por exemplo, 
e quando o lemos
percebemos que seu pensamento é absolutamente atual.

O que foi escrito faz sentido 
em qualquer tempo e lugar.
Seriam estas as grandes verdades?  
Talvez.

A única certeza é que estes escritores
são grandes GÊNIOS.

Isso tudo para dizer
dá minha grata surpresa ao ler

"A arte de escrever" de SCHOPENHAUER, 1851.

Não costumo ler autores por que são clássicos, não leio muito por indicação, gosto de ir descobrindo livros e autores. Comecei a ler  em função do título, aleatoriamente num dia em que não tinha nada de especial para ler ou fazer.

Grata surpresa, recomendo muito!!



Andréa Beheregaray

Evento Do blog ao livro - FNAC!

Convite para um bate papo lá na FNAC dia 04 de novembro!



  

Espero vocês por lá!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Homem- estufa.






Homem-estufa

Quando chega bem pertinho

dá um baita

calorão!

Da série
Tipos de gente
Andréa Beheregaray


Amar é fletar com a morte.





Cuidado com o que você deseja por que desejos podem se realizar, e nem tudo o que se deseja, se sustenta.

Sexta à noite conversava com uma amiga sobre isso, uma amiga que sempre disse desejar um cara legal, alguém para viver um grande amor. O cara apareceu, e agora?
  
O grande amor talvez seja o sonho mais desejado entre as mulheres, 11 entre 10 mulheres desejam viver uma história assim. Desejam tanto que muitas vezes, o homem, ou mulher (no caso de meninas que gostam de meninas) o outro personagem dessa história, é o que menos importa. Temos um sonho e um plano para realizá-lo e, até estarmos mais maduras e conscientes, buscamos alguém que se encaixe no sonho e enfiamos o sonho na cabeça do sujeito. Receitinha perfeita de infelicidade.

Discordo do Lord Byron quando afirma que "na sua primeira paixão, a mulher ama o seu amante; em todas as outras, do que ela gosta é do amor." Nós amamos primeiro, o amor depois o amante, só com o tempo e a experiência invertemos essa lógica. Talvez  isso permaneça para quem quem não aprende nunca e, quem não aprende com a experiência, das duas uma, ou tem baixo QI - tradução, é burro- ou é uma psicopata. A maioria das mulheres, burras ou inteligentes, não importa, ama o amor - aliás, se existe um campo da vida em que a inteligência não faz a mínima diferença é no amor, que o diga Oscar Wilde que teve sua vida destruída por causa de sua paixão por Lorde Alfred Douglas, história de amor que poderia receber o título de "O gênio e o burro mau carácter" ou "A Dama e o vagabundo" - 

Mas voltando, discordo do Lorde Byron, que não era o Lorde de Oscar Wilde e nem era burro, mas que era homem, portanto não era mulher , hehe, e não sabe como nós mulheres somos apegadas a idéia de amor romântico e sofremos pacas (adoros essa expressão, pacas!) para abrir mão dessa fantasia. Como quando tivemos que guardar as velhas Barbies no armário, vou difícil abandoná-las.

Mulher se apega fácil, somos apegadas - somos as "pegadas" apegadas. Tudo que é bom, que cheira a amor, carinho e atenção, que tenha disso uma leve aparência, nós nos apegamos. E depois para desapegar é um sofrimento. 

Muitos homens acham que sofremos por eles, quando nos separamos - voluntária ou involuntariamente - o que talvez o ego masculino não os deixe perceber é que sofremos mais pela fantasia amorosa que vemos morrer do que pelo homem que se vai. É como se disséssemos "áh, mais uma vez perdi a chance de viver um grande amor". Por isso, não raras vezes olhamos para trás e descobrimos que o cara nem era tudo isso. Nem era mesmo, "tudo isso" é o nome da fantasia romântica que o outro carregava . 

Nós mulheres temos esse dom, de obrigar os homens a desempenhar papéis. Acho injusto com o parceiro. Fazer alguém carregar um sonho tão pesado, esse da fantasia romântica.  O sonho, de que sou a alma gêmea de alguém, de ser completa e, por isso, responsável pela felicidade do outro é fonte de infelicidade. Credo, não dou conta nem da minha  felicidade! É muito peso e tudo o que é pesado gera culpa - "meia culpa cada um que vá cuidar do seu", felicidade também. 

Alma gêmea não se separa e não ter a liberdade de se separar é claustrofóbico,. Idéia horrorosa essa de eternidade.

E se no meio do caminho você se convencer que aquele que está ao seu lado não é sua alma gêmea mas o outro não se convencer da mesma coisa?  Culpa enorme! Como ir embora? O outro achando que você é a alma gêmea dela, sua partida vai representar a morte. 

O negócio então é alma trigêmea, quadrigêmea, etc. Assim passamos a olhar para os finais de forma mais serena e não como o fim do mundo. Gosto muito do que disse Albert Camus em A morte Feliz "Não há grandes dores, nem grandes arrependimentos, nem grandes recordações. Tudo se esquece, até mesmo os grandes amores. É o que há de triste e ao mesmo tempo de exaltante na vida. Há apenas uma certa maneira de ver as coisas, e ela surge de vez em quando. É por isso que, apesar de tudo, é bom ter tido um grande amor, uma paixão infeliz na vida. Isso constitui pelo menos um álibi para os desespero sem razão que se apoderam de nós”. 


 Mas nem pense que por tudo isso eu não acredito no grande amor, acredito sim! Mas ele passa bem longe de fantasias de salvação e do amor romântico. O grande amor pra mim vive em liberdade - que nada tem a ver com surubas, sim liberdade de pensamento, de ir e vir, de alma inteira e não metade. Minha alma é inteira, por isso posso ser livre. Não levo a metade da alma de ninguém de arrasto e nem estou em busca do pedaço perdido. Liberdade  é responsabilidade pelas suas emoções. O grande amor é feito de encontros especiais e raros, de mágicas afinidades, de sensação de paz encontrada no corpo do outro. Da uma comunicação profunda e silenciosa que só temos com determinadas pessoas. Quando dois universos se encontram, quando tudo o que é valioso, profundo é tocado por tudo o que é valioso e profundo do outro, e que só o outro consegue tocar. Uma sensação que não conhece o tempo, é como se já conhecêssemos o outro, por que o outro também sou eu. O grande amor sempre esteve,mesmo antes de chegar materializado no corpo do ser amado. O grande amor está dentro da gente, de dentro pra fora. O ser amado é a materialização de nossa intensidade, o grande amor é intensidade e é lindo. E quanto mais intensos somos, maior o mergulho e o amor que sentimos.     

Viver um grande amor é assustador. Nenhum outro sentimento amedronta tanto quanto o amor. Todo mundo deseja isso, mas pouquíssimos sustentam viver uma história assim. Amar nos coloca numa posição de grande vulnerabilidade e fragilidade e por isso o amor é tão assustador. Se sentir desprotegido é uma sensação de morte. Amar é fletar com a morte, pois se tudo acabar é isso que vamos sentir, como se tivéssemos morrido.

Por causa disto muita gente evita o amor, se esconde dele, escolhe viver com pessoas inofensivas. Quanta gente faz isso! Já vi - e vejo -muita gente namorar e casar com a mulher que lhe parece mais inofensiva a sua integridade psíquica. Como disse Wilde "Um homem pode viver feliz com qualquer mulher desde que não a ame."  

Já dizia o mestre dos magos:
 
"O AMOR É COMO DEUS, AMBOS SÓ SE OFERECEM AOS SEUS SERVIÇAIS MAIS CORAJOSOS"

Carl Gustav Jung

Por tudo isso lhes digo cuidado com o que vocês desejam, e vai que o grande amor acontece? Você terá coragem para vivê-lo? Não responda, nem se precipite, apenas pense. Já vi gente grande (GRANDE) correr feito cachorrinho assustado. O grande amor é assustador e exige enorme coragem. 

Eu espero, de coração, que minha amiga querida vença seus temores e seus fantasmas e consiga viver esta história. Tenho certeza que será transformadora, mesmo que um dia morra, mesmo que seja breve. Ninguém permanece o mesmo depois de viver um grande amor. 

Nada mais será igual e se acabar, acabou, por que sua alma é quadrigêmea e outros grandes e diferentes amores virão (amém). Basta manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo.

Desejo sorte e coragem para todos nós! 

Por que coragem não significa ausência de medo, mas sim enfrentar a vida, apesar do medo.





Andréa Beheregaray 

ATENÇÃO!!! PROBLEMA GERAL NOS BLOGS!



Algumas pessoas estavam recebendo esta mensagem ao entrar no site. O problema é GERAL, vários blogs estão tendo. Não existe uma posição oficial ainda. Ao que parece é um CONTADOR DE VISITAS - não o oferecido pelo blogger, mas aqueles "vermelhos laterais" que mostram um mapa ou qualquer GADGET de terceiros.

As instruções até o momento são:

Excluir temporariamente a lista de blogs indicados -
Excluir GADGET de terceiros
Limpar cache e os cookies.

sábado, 24 de setembro de 2011

Celulite!



Celulite
é que nem erva daninha
se não cuidar
toma conta de tudo!






Da série
Maldição. 

Andréa Beheregaray

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Convite para o pessoal de Santo Ângelo - Feira do livro.



Convite para o pessoal de Santo Ângelo que curte o TPM :D
Participo da Feira do Livro de Santo Ângelo dia 6 de outubro.
 
Às 14h30min palestra e logo após sessão de autógrafos. 
 
Espero vocês por lá, ou melhor, me esperem ai que estou chegando!
 
 
 


Seu computador tranca? Desliga? Só dá problema?






"Em terra de Pai de Santo, vírus de computador, é macumba!"



Andréa Beheregaray

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Cantinho.




Houve uma época
em que encontrar
um bom cantinho
resolvia as coisas

Hoje
ou os cantinhos
sumiram
ou os problemas
cresceram


Por que em vida
de gente grande
se esconder
não resolve

O negócio é enfrentar
na hora certa,
enfrentar

Não te esconde tchê!
Que não adianta
cedo ou tarde
a vida te acha



Da série,
Comigo-ninguém-pode!


Andréa Beheregaray

Porcelain Revised Score



Fernanda querida me mandou, adorei!

10 minutos.




"Daqui a 10 minutos talvez eu enlouqueça..." 







Associação Amigos do Caio Fernando Abreu (AACF)

Galera, para conferir no Blog!


Registrada em 2010, na cidade de Porto Alegre, a Associação Amigos do Caio Fernando Abreu - AACF tem o intuito de preservar, organizar e divulgar a obra e a biografia do escritor. Mais do que isso, a associação espera transitar e compartilhar informações e objetivos com os associados, fãs, familiares e todos os que se interessem pelo universo do artista.





http://www.associacaocaiof.blogspot.com/

Por que uma parte do meu coração mora no Jardim Botânico - RJ.





Tem gente para quem é necessário passarmos muito tempo explicando o que pensamos e sentimos e, mesmo assim, a pessoa não entende.

Para outras, no entanto, não dizemos uma única palavra e a pessoa entende até o que não entendemos ainda sobre aquilo que sentimos.

Eu tenho sorte na vida de ter uma amiga como você.

Amizade que é presença, mesmo na distância.

Uma parte do meu coração mora no Jardim Botânico.


:D

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Reencontros.







"O reencontro nos permite resgatar os pedaços que ficaram com aqueles que partiram."







Andréa Beheregaray. 

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Sobre desejos.




"Que prazer adiar a satisfação de um desejo!
Quase tão bom quanto realizá-lo!"




 Andréa Beheregaray.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

O tempo do pensamento ou pensamentos que matam.






O pensamento
nem sempre é fruto maduro.
tem pensamento-semente
tem pensamento-verde.

Outros ainda
são pensamentos da estação
frutos do seu tempo

Mas os piores mesmo
são os pensamentos-podres
envenenados, ultrapassados
e que tanta gente teima em dizer

Pensamento-podre
é pensamento com pó
tem cheiro de mofo
e cor de azulejo antigo

Pensamento que passou
da hora e bichou,
pode matar tanto aquele que pensa
quanto aquele que por ele é pensado.


Tire a cabeça do buraco e pense com cuidado!



Da série
Malhe seu cérebro!



Andréa Beheregaray

domingo, 18 de setembro de 2011

Aprender com a solidão.








“Aprenda a lidar com a solidão. Aprenda a conhecer a solidão. Acostume-se a ela, pela primeira vez na sua vida. Bem-vinda à experiência humana. Mas nunca mais use o corpo ou as emoções de outra pessoa como um modo de satisfazer seus próprios anseios não realizados.“



Comer, rezar e amar. 

Comer, rezar e amar. Mais amar do que comer e rezar.




“... talvez eu esteja apenas gostando muito desta fase surreal da minha vida, porque estou me apaixonando, e isso faz o mundo parecer delicioso, por mais insana que seja a sua realidade.”





Do livro.
Comer, rezar e amar.

À toa.




"Eu mesma não entendo minha enormíssima paciência de ficar à toa,
só pensando, pensando e sentindo."


Adélia Prado.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Qual seu time?






"O mundo se divide entre as mal comidas e as mal faladas, 
as do segundo time mal faladas 
exatamente por serem bem comidas"

Andréa Beheregaray



Inspirada na afirmação da Camis Lee: "frustração sexual gera ódio. Tenho certeza."







quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Tipos de homem-álcool



Homem-álcool


Homem-cachaça

Só te faz mal

tem um gosto horrível

mas você continua usando


Homem-caipirinha

aquele que te engana

com a doçura

mas no final só te dá dor de cabeça


Homem-wisky

você só pega

se não tiver outra coisa na festa


 Homem-vinho

quanto mais velho

melhor


Homem-tequila

tu pega uma vez na vida

e nunca mais esquece


Homem-licor

é muito doce

e não te dá barato


Homem-champagne

não dá pra usar todo dia

é gostoso e meio fresco

mas tem boa pegada


Homem-cerveja

tu encontra em qualquer lugar

todo mundo usa

e só te dá problemas

(barriga,dor de cabeça, amnésia)

mas você gosta!



Enfim

Homem-álcool

você usa

nunca sabe a hora de parar 

e quase sempre se arrepende

por que homem-álcool

vira seu mundo de pernas pro ar.




Da série
Tipo de gente.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Dias de fúria!!!




Em TPM

Eu sou um Exú descontrolado
Um trem descarrilhado
Um demônio faminto


Acredite, não minto
Em TPM digo tudo o que sinto
E o que eu não sinto também 


Por que nem vem que não tem
não quero motivo, eu quero briga
não importa o que você diga.

Um pesadelo, uma louca,
Uma tsunami, um furacão, um terremoto, um vulcão
Sou uma mulher dragão.
 
Dias de sangue, de confusão.

Uma vergonha
Um fiasco
Um vexame
Indecência


Por tudo isso
peço perdão
peço clemência!!!



Da série, 
Dias de fúria.



Livro 360 Graus - Inventário astrológico de Caio Fernando Abreu.




Aconteceu ontem o lançamento do livro 360 Graus - Inventário astrológico de Caio Fernando Abreu, da querida Amanda Costa Eu já tenho o meu, devidamente autografado pela autora e já vou começar a devorá-lo. 

Indico o livro, não só por que fala do Caio, mas por que a Amanda é uma daquelas pessoas generosas com suas memórias do amigo. Ser amigo de gente especial como o Caio tem efeitos interessantes, alguns nunca se recuperam, outros são extremamente vaidosos com suas memórias, outros  ainda se sentem especiais por procuração. Amanda não, Amanda é generosa com suas memórias afetivas,memórias ausentes de vaidade pessoal. Consciente, no entanto, do privilégio astral de ter podido compartilhar, no espaço e no tempo, a amizade e a presença de uma pessoa tão rica internamente, tão fascinante. 

Essa generosidade e fluidez foi sempre a impressão que Amanda me deixou, de alguém leve, afetiva e generosa. Não é de espantar que o Caio tenha se tornado amigo dela.

Fica a dica, quentíssima, de leitura!!

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Placa de homenagem ao escritor, frase vencedora e aniversário de Caio Fernando Abreu.





Hoje Caio completaria 63 anos de vida. Esse escritor especial, era feito de uma mistura mágica, desejo, encantamento, coragem e delicadeza, tudo isso misturado com uma crueza ímpar, uma profundidade dramática. Caio é ímpar, na veia, de uma beleza indizível.
Talvez, lendo isso, diria ele que tantas palavras "grandiloquentes" não caem bem, mas como descrevê-lo sem usar palavras grandes?

Caio nos deixou de presente palavras em forma de livros, um dos mais belos presentes que podemos dar a alguém. Dar de presente o que ele nos deu é dar-se ao outro, uma entrega absoluta que exige muita coragem.

Eu, como fã e moradora de Porto Alegre, fico muito feliz de poder retribuir e materializar o Caio em Poa, através de um gesto simples, uma placa de homenagem.

Em parceria com a Prefeitura de Porto Alegre, com autorização dos novos moradores,  a casa em que viveu no bairro Menino Deus receberá uma placa de homenagem.  A placa irá conter as datas de nascimento e morte e uma frase do escritor. A votação que rolou aqui no blog e que durou 2 meses. A frase vencedora foi a número 6 com 22% dos votos. Logo, logo, divulgo informações sobre a data da colocação da placa.

E hoje, no dia que ele faz aniversário, divulgo para vocês ( faz, no presente, que gente como ele não morre, permanece)



"Depois de todas as tempestades e naufrágios, o

 que fica de mim em mim é cada vez mais o

essencial e verdadeiro."  



Caio Fernando Abreu.

domingo, 11 de setembro de 2011

Mantra da mulher solteira!






Mantra das solteiras : a falta constitui o desejo!


Repita, repita, repita! Não pegue no pé, não mande 1000 mensagens, não aceite todos os convites, suma de vez em quando.

Controle-se!

Faça falta na vida do cara que você deseja.
 
 E então mire e acerte seu alvo !!
 
 
 
 
Da série
 Tiro ao alvo
 
 

Fofoqueiros.





O fofoqueiro acaba enrolado na própria língua.

:D





Andréa Beheregaray


Reportagem sobre o Caio F e a votação da frase no blog TPM!

Caio Fernando Abreu: acima de tudo, um escritor.

Paola Oliveira



Estagiária de Jornalismo


Orkut, MSN, blogs, Facebook ou Twiter. Em qualquer rede social ou espaço na internet que você entrar, certamente encontrará uma frase de Caio Fernando Abreu. O escritor gaúcho que faleceu há 15 anos, vítima de complicações decorrentes da AIDS, nunca esteve tão vivo. Sua obra parece tão vasta quanto seu sucesso. Ator, astrólogo, jornalista, roteirista, lavador de pratos, viajante, jardineiro, dramaturgo, hippie, mas acima de tudo um escritor, como ele mesmo definiu. Caio Fernando Abreu foi um pouco de todos os personagens de seus livros.



Na web


“Queria tanto que alguém me amasse por alguma coisa que escrevi”

Caio Fernando Abreu ganhou prêmios e agradou à crítica literária. Teve amigos que foram ou que hoje são a alma da cultura do Brasil e morreu quando começava sua consagração. Em nenhum momento foi tão amado como é agora, por essa que chamam de Geração Y. Os jovens que conheceram Caio exclusivamente por meio de seus escritos, principalmente em frases soltas na internet, sentem como se tivessem descoberto, mais do que um escritor, um amigo, um igual. Parte deles mal conhece o rosto de Caio, sua história conturbada e intensa, seu amor incondicional à literatura, que o fazia viver quase tudo que escrevia: amam-no pelo que criou.

Ler Caio Fernando Abreu é como abrir um diário que nunca escrevemos, mas que revela tudo que sentimos e pensamos, tudo que queremos esconder dos outros e de nós mesmos. Este parece ser o diferencial de Caio: seus contos jogam-nos na cara coisas que não sabemos sobre nós mesmos, obrigam-nos a fazer uma limpeza interna, pensar sobre o que realmente somos e o que representamos ser. Terrivelmente crua e ao mesmo tempo amorosa e bela, a obra de Caio Fernando nos captura justamente por essas contradições.

Caio tornou-se um mito literário, “melancolicamente póstumo”, como bem profetizou.

Mauro Castro, taxista e cronista, conheceu Caio quando o levava para tratamento no hospital em Porto Alegre, em seus últimos meses de vida.

Sobre a obra de seu passageiro, Mauro admite não ser um profundo conhecedor. “Se hoje tenho em minha casa praticamente tudo o que ele escreveu, se comprei todos os seus livros, não é porque eu o admire tanto”, reconhece. “Na verdade, quem pediu que eu comprasse todos esses livros do Caio foi minha filha Bruna.” Adolescente, no alto de seus 16 anos, Bruna conhece mais Caio Fernando Abreu do que o próprio pai, que conviveu com o autor. “Não é preciso muita conta para concluir que ela tinha apenas um aninho quando Caio morreu…mas isso não importa”, sublinha.

Tendo um exemplo em casa da admiração que Caio provoca na juventude de agora, Mauro tenta explicar: “Essa admiração tardia não me surpreende. Minha filha também curte Cazuza, está tirando Bohemian Rhapsody do Queen, está ensaiando uma peça de Shakespeare no colégio… A noção de tempo não existe quando o assunto é arte. Some-se a isso certa onda nostálgica da gurizada atual, vintage, anos 80, máquina de escrever, câmera fotográfica analógica, trabalho escolar sem o Google (Googless)… Caio Fernando Abreu se encaixa como uma luva nessa parada.”

Os admiradores usam todos os tipos de redes sociais para homenagear o autor. No blog Sem amor, só a loucura, os organizadores oferecem grande parte dos contos de Caio na íntegra. Mais recentemente, Vilmar Ledesma criou o blog Caiofcaio, que contém artigos, resenhas e reportagens que Caio escreveu para jornais e revistas, além de crônicas jamais publicadas, demonstrando que só seus livros já não são suficientes para aqueles que querem desvendar cada vez mais os mistérios da vida desse escritor que só conheceram por foto, vídeo ou textos.

Na maior comunidade do Orkut sobre Caio Fernando Abreu, com mais de 62 mil membros, foi lançada a pergunta “Por que você acha que a obra de Caio Fernando Abreu é tão popular e amada por uma geração que vive em um mundo totalmente diferente daquele em que o autor viveu?”. Foram obtidas as seguintes respostas:

“Acredito que a popularidade das frases do Caio se deve à maneira simples, objetiva, porém profunda com a qual o autor escreve. Essas coisas de amor, sentimentos, emoções que acontecem com as pessoas são extremamente profundas, tocam lá no fundo, e quando lemos o que o Caio escreve, sobre sofrimento, choro, amor, envolvimento, nestas frases, a identificação é rápida; palavras simples para emoções profundas. É como se ele organizasse o que sentimos.” Marcia Biavati Messias , 24 anos, estudante, Rio de Janeiro (RJ)

“O capitalismo, atrelado ao individualismo, molda seres cada vez mais introspectivos, que assim se adéquam à obra do autor gaúcho, tornando sua obra popular e amada. Acredito que Caio Fernando Abreu seja muito digno de admiração e, por isso, o resgate da sua obra e vida, na íntegra, deve ser valorizado.” Marien Édina Foresti, 18 anos, estudante, Santa Maria (RS)

“Todas obras do Caio escritas há tanto tempo se encaixam perfeitamente no nosso dia a dia, isso porque ele sempre escreveu com sua alma e com o seu coração. Vivemos atualmente numa sociedade carente em diversos segmentos, e as obras do Caio são como pontos de apoio e equilíbrio para essas pessoas que se veem sem respostas, pois cada texto dele torna-se essa resposta procurada.” Élem Araújo do Rosário, 19 anos, estudante, Bom Jesus da Lapa (BA)

A pesquisadora Lara Souto Santana, durante a elaboração de sua dissertação de mestrado, apurou como andava a popularidade de Caio Fernando Abreu nos meios acadêmicos. “Até 2000 havia cerca de nove trabalhos (dissertações/teses) sobre o autor”, compara. “A partir de então, a quantidade só aumenta. Até 2005 há por volta de 11 trabalhos acadêmicos que abordam a obra de Caio Fernando Abreu, mas esse número cresce ainda mais ao considerar que até 2011 foram feitos cerca de 34 trabalhos”.

Em 2010 Andréa Beheregaray, psicóloga, escritora, professora universitária e vizinha de Caio no Menino Deus, teve a ideia de transformar a casa onde o escritor passou seus últimos dias em um espaço cultural. Para isso, criou o blog Salve a Casa do Caio Fernando Abreu. No começo deste ano, a casa acabou sendo vendida, e Andréa resolveu usar outra tática.

“A casa foi vendida para uma família que a restaurou”, conta. “Com a venda, tive a ideia de colocar uma placa. Entrei em contato com a família e eles concordaram. Sugeri a placa para o (secretário Municipal de Cultura) Sérgius Gonzaga e ele gostou da ideia e deve financiar a placa.”.

Por meio de seu blog pessoal, TPM, Andréa fez uma votação para escolher uma frase de Caio para a placa que será colocada na casa que foi da família Abreu. No dia 30 de agosto, às 17h, encerrou-se a votação. A autora da enquete ainda não divulgou a citação escolhida.

Mais no site :

http://portal3.com.br/wp/caio-fernando-abreu-acima-de-tudo-um-escritor