Perdição




Ele me disse que se sentia sem rumo,
sem metas, sem planos. 
Que por isso estava perdido. 

Eu lhe disse que me sentia assim a mais de 34 anos! 

Não saberia dizer se era muito ou pouco,
nem ao que comparar os anos acumulados.
A mim pareciam apenas 34 anos intermináveis
em que a sensação de estar sem rumo só aumenta. .

Será que aguento mais 34 anos sem rumo?
Não tenho nenhuma expectativa
de que um dia me sentirei no rumo de alguma coisa.
Batalho, no entanto, para me manter à tona... Sobre as ondas. 

Nem sempre. 
Quedas, mergulhos,
encontros, vertigens, 
desespero e paixão.  

Perder o rumo é encontrar o inesperado.
Perder é encontrar. 

Não suportar a falta
de planos, metas, objetivos  
tem cheiro de controle
e controle é apenas o medo disfarçado de sucesso. 

Ele era assim, sempre correndo atrás
De quê? Ele não sabia dizer.

Não corria atrás,
fugia
da angustia
da solidão
fugia de si mesmo.
Desejava que aquilo que buscava fora
pudesse lhe dar o que faltava
dentro
um pouco de paz.

Nasci perdida
nesse mundo que me é estranho, lhe disse.

Estou perdida dentro,
mas é para dentro que traço os planos mais importantes.

Tudo pode mudar num segundo.
As metas são apenas mais uma fantasia de controle
que criamos para sobreviver
a incerteza dos dias.
O medo diminui quando aceitamos que viver
é perdição.  

Viver é perdição. 



Comentários

  1. Texto lindo Déia!

    Acho que um dia desses esbarro comigo em alguma esquina! ;)

    bjos saudosos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Árvores Floridas