Que assim seja.


Gostava de ter tido poucos amores, isso mantinha em mim lembranças intocáveis, gestos guardados, registros sem pó.


Os quartos da minha memória tem paredes de veludo e lustres de cristais.


É lá que guardo os raros amores que tive e o que vivemos está exposto nas paredes da saudade.


Cada cheiro, cada sorriso, cada toque e beijos de amor.


Gosto de tê-los assim, delicados, dentro de mim.


São eles que me dão a sensação de ter vivido além.


Eu os amo ainda, com serenidade daquilo que não volta.


E sinto uma espécie de gratidão com a vida, por ter me dado tão raros amores.


Quartos de veludo, uma espécie de refúgio de tanta aridez.


Poucos e bons, que assim seja- repetia sempre que trancava a porta dos quartos da memória após visitá-los.


Que assim seja.


Comentários

  1. "Poucos e bons"
    Isso que sinto ao me lembrar...

    Abraço meu.

    ResponderExcluir
  2. O que importa é a intensidade...
    E foram todos intensos e leves...
    Adoro te visitar...
    bjs.

    ResponderExcluir
  3. Lindo, Déia! Também gosto de "me esconder" nas lembranças de vez em quando! Beijos, querida!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!