Grandes cucas confusas.


"Eu te amei muito. Nunca disse, como você também não disse, mas acho que você soube. Pena que as grandes cucas confusas não saibam amar. Pena também que a gente se envergonhe de dizer, a gente não devia ter vergonha do que é bonito. Penso sempre que um dia a gente vai se encontrar de novo, e que então tudo vai ser mais claro, que não vai mais haver medo nem coisas falsas. Há uma porção de coisas minhas que você não sabe, e que precisaria saber para compreender todas as vezes que fugi de você e voltei e tornei a fugir. São coisas difíceis de serem contadas, mais difíceis talvez de serem compreendidas — se um dia a gente se encontrar de novo, em amor, eu direi delas, caso contrário não será preciso. Essas coisas não pedem resposta nem ressonância alguma em você: eu só queria que você soubesse do muito amor e ternura que eu tinha — e tenho — pra você. Acho que é bom a gente saber que existe desse jeito em alguém, como você existe em mim.”

Comentários

  1. Esse trecho me lembra uma pessoa... Faz tanto tempo já. É, a vida tem mesmo dessas coisas.

    Abraço meu.

    ResponderExcluir
  2. Andréa! Esse texto é completo. É de um fim que ainda não acabou...
    Me achei por aqui: 'Há uma porção de coisas minhas que você não sabe, e que precisaria saber para compreender todas as vezes que fugi de você e voltei e tornei a fugir'.

    Belo, intensamente lindo.

    Beijos pra ti : )

    ResponderExcluir
  3. Muit bom, Déa.
    Tanto que endereçarei a alguém, com os devidos créditos, lógico, heoheo.

    Bjos :**

    ResponderExcluir
  4. Exatamente o q eu queria dizer pra alguém e não disse! As palavras qdo não ditas deixam lacunas!

    ResponderExcluir
  5. Andréa do Céu.. rs que isso? LINDO DEMAIS!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos