terça-feira, 12 de outubro de 2010

Emília ou Barbie?

Sempre que posso compro livros para os meus filhos. Para os guris não encontro muita dificuldade em encontrar livros interessantes, já para minha filha de 9 anos a história é outra. Só encontrava livros bobos e rosas sobre princesas, diários e futilidades. Nós mulheres podemos pensar que nossos problemas afetivos e crenças idiotas sobre o amor e relacionamentos começa assim, com essa palhaçada, entre Barbies e diários e os meninos entre fantásticas aventuras e histórias de terror empolgantes.


Meu primeiro livro foi "Reinações de Narizinho", fui criada assistindo ao Sítio do Pica-Pau amarelo e as incríveis aventuras da boneca sapeca. Tive muitas Emilias de pano e ela, sem dúvida, faz parte do que fui me tornando. Não só porque eu era uma guria travessa como a Emília, e tive apelidos que se enquadravam bastante no estilo da boneca "bicho carpinteiro", "piruco" e "nequinha loira" de bonequinha, apelidos bem ao estilo Emília, mas porque a Emília do sítio traz uma proposta de feminino livre, aventureiro, transgressor e alegre, portanto um feminino muito interessante. Cresci ouvindo Trem da Alegria, lendo e ouvindo as fantásticas histórias de Monteiro Lobato e tendo que decidir entre o Ballet e o Judô. Judô, claro!!!

E agora, que tipo de feminino está sendo vendido por ai? Um feminino fútil, idiota, reduzido, vaidoso, burro, siliconado, maquiado, prostituído, frágil e rosa. Um mundo de Barbies e seus corpos anoréxicos, namorados de Bobs e Ken vaidosos e de princesas sonhadoras, desempregadas de donas de castelos. Princesas que não vão a luta, mas antes desmaiam, adormecem, passivas aguardando que algum príncipe venha lhes salvar. Meninas que idolatram Hannah Montana, Rebeldes e histórinhas de escolas americanas em que o mundo se divide entre meninas populares e o resto. Tive uma paciente muito jovem que chegou ao consultório em terrível sofrimento porque era gordinha e sofria por não ser popular. Chorava e dizia "quero ser popular, mas sou feia".

No meio de tudo isso inventaram o Sherek, sensacional!!! Um príncipe atrapalhado e estranho e uma princesa agilizada, verde e feliz!

Mas esses dias fui surpreendida por um livro super interessante para meninas, e pra gente grande também. Diferente como Chanel , de Elizabeth Matthews. Muito lindo! O livro conta a história de vida da estilista francesa numa linguagem para crianças. A Victória sempre gostou de costurar roupas e inventar moda, comprei de presente e ela ficou bem impressionada, porque a história de Chanel é impressionante. Uma história de vida forte de uma mulher que não perdeu a sensibilidade e a ternura. Um livro inteligente, sem dúvida.





Fica de dica.
Muito mais uma mulher Emília, disparado!!!

5 comentários:

  1. Eu concordo muito com você!!

    Fiquei curiosa com o livro.

    Abraço meu.

    ResponderExcluir
  2. Que maravilha de leitura!!!

    A história da Chanel me surpreendeu. Devido ao rumo que ela escolheu, fiz um PREconceito, depois vi o filme e me encantei!

    Desejo todos os dias que meninas cresçam Emílias, ou até a Punky a levada da breca(eu amava!!!hahaha)

    Bjos!

    ResponderExcluir
  3. Olá! Tem presentinho pra vc lá no blog:
    http://michele-dos-santos.blogspot.com/2010/10/um-beijo-paulinha.html
    Repasso com carinho a quem sigo, pois são merecedores do selinho.
    Bjs e ótimo REcomeço de semana.
    Mih

    ResponderExcluir
  4. Andrea retomando algumas lembranças de uma geração "para além" Xuxa! Que delícia.
    E Chanel para crianças? Nem tudo está perdido...
    Adorei! Bju

    ResponderExcluir
  5. SIMPLESMENTE PERFEITO (!!).

    Agora nao tem mais como dizer que eu apenas RETRUCO e INCOMODO tudo que tu diz :)

    ResponderExcluir