Coisa rara.


Eu não acredito em amor, mas acredito em nós dois e na forma como você faz alegre meus dias. Nunca quis pensar no que seria, ou em um amanhã, e dessa impossibilidade vi nascer isso que não tem nome, mas é bacana, livre, gostoso e é nosso.

Eu, que te conheço de uma forma que não entendo, te sinto pelo avesso. Eu sei quem você é. Tudo em ti me interessa, tuas falhas, tua solidão, teus enganos e tua ira. E esse menino que mora em ti, que adora me roubar sorrisos e de quem eu gosto muito. Esse menino que guarda uma tristeza escondida, que quase ninguém vê, que tem uma mão que fere e a outra que acarinha. Eu gosto de abraçá-lo.

Eu que sempre pude ser inteira ao teu lado, gosto de fazer do teu desejo o meu prazer; do meu corpo o teu gozo; do que falo, teu falo e teu beijo. Eu que gosto tanto da tua orelha, e da forma como de leve você muda o tom da voz para mentir, gosto mais ainda de como juntos ou separados torcemos um pelo outro, e gosto muito, mas muito das tuas pernas, você sabe e de uma coisa que só gosto em você, em mais ninguém. E o melhor é que nos interessamos e nos desinteressamos um pelo outro, quase sempre ao mesmo tempo, o que facilita e alivia.

Eu, que sei tudo isso, nunca me permiti nada além de uma certa nostalgia por ter chegado tarde demais na tua vida, por que acho mesmo que teríamos sido um casal e tanto, dois iguais,olho no olho, muitas loucuras, amor no carro, viagens para Paris e New Orleans, e você leria nu para mim e eu te dedicaria meus livros. Mas nada disso chega a doer de verdade, por que a vida é hoje e sabes bem que não lamento e quase nunca penso nisso. Por que de alguma forma estamos um para o outro, no agora, do nosso jeito.
Eu que adoro tua urgência quando sentes meu cheiro, não sei dar nome ao que temos. Como se chamam as relações que são leves, intensas, francas e duras, mas nem por isso menos doces? Que nome dar a um afeto que vive por dia, que não espera ou cobra, que é espelho e estrada, que não teme partida e celebra a chegada?
Acho que seu nome seria coisa rara.
Eu que te minto muito pouco, mas não altero o tom da voz quando faço isso, também gosto de você e ponto,e mais um ponto e outro mais.
Beijos
sua B.

Comentários

  1. Aii aiii...

    Coisa rara e linda!!
    Ando suspirando mais que o normal, to nesta fase de que "Nunca quis pensar no que seria, ou em um amanhã, e dessa impossibilidade vi nascer isso que não tem nome, mas é bacana, livre, gostoso e é nosso."

    Beijão queridona!

    ResponderExcluir
  2. E acabou com reticências, ou foi impressão minha?! Noooossa, então é sério msm!
    ;)
    AMEI!
    Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Árvores Floridas