Memória gaúcha??


Pessoal, não sou do meio artístico e tão pouco tenho competência para falar sobre a obra do Caio, sou apenas uma fã. Uma fã empolgada, é verdade. Muitas vezes fui chamada de sonhadora e nunca entendi isso como algo pejorativo, ao contrário, ser chamada de sonhadora é, para mim, um elogio e tanto.


Digo isso porque sei que este sonho, o de preservar e transformar a casa do Caio em um espaço cultural, é uma grande empreitada. Será difícil? Provavelmente. Mas viver é difícil, não é mesmo? Viver dá um trabalho danado. Gastamos energia em um monte de coisas inúteis, fato. Acho que batalhar para preservar a casa do Caio F, é o mínimo que podemos fazer.


Durante o programa da Rádio Gaúcha, fiquei sabendo que o Rio Grande do Sul perdeu, por falta de interesse e iniciativa o acervo do Érico Veríssimo e do Mário Quintana! Isso é, no mínimo, uma grande vergonha para o estado. Me admira os gaúchos, que se consideram tão cultos e politizados que deixem esse tipo de coisa acontecer.


É vergonhoso, esses acervos deveriam fazer parte do roteiro turístico da cidade!
Estou indignada. Repito, nada entendo de projetos, de política, não tenho interesse em ganhar nada com isso. Meu interesse é que a casa seja preservada, que a memória do Caio seja mantida.


Em pouco tempo já conseguimos espaços bacanas de divulgação, na Rádio e no jornal. Precisamos continuar fazendo barulho, chamar a atenção de alguém!!

Porto Alegre é um província, nem tão alegre, de pouca memória e, me parece, BURRA!!!


Continuem divulgando. Breve dou mais notícias dos contatos e apoios que chegam.


Sugiro que possamos montar um grupo de trabalho, quem tiver interesse entre em contato por e-mail.


A Laura Zacher sugeriu um "abancamento" na casa do Caio, podemos pensar em algo assim.


Uma marcha pela casa do Caio? Um encontro "Abrace a casa do Caio F.", ou "Abrace Caio Fernando Abreu"?


Vocês gostariam de abraçar o Caio? Eu sim, muito.


E sim, sou romântica, sonhadora, aquariana, empolgada. Se já abandonamos o sonho de mudar o mundo, como cantou Cazuza, podemos, ao menos, descer do muro e salvar a casa do Caio.


É o mínimo, é o mínimo.

Comentários

  1. E sim, sou romântica, sonhadora, taurina, empolgada. Se já abandonamos o sonho de mudar o mundo, como cantou Cazuza, podemos, ao menos, descer do muro e salvar a casa do Caio.
    Né, Plagio não... é igualdade de sentimentos!

    Isso aí, iremos conseguir, maior apoio!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos