Na terra da Anita G.


E o que mais sentia falta, da sua vida na cidade pequena, era dos bailinhos, aqueles em volta da praça que o povo todo se enfeitava para frequentar.

Guardava essa imagem. Mas danada mesmo era a saudade de dançar no salão do Blondem com o tio que tinha. Foi ele que lhe ensinou a dançar. Ele na sua altura infinita.

O tio dançado com a tia. Imagem marcada no tempo.

As pessoas estão desaprendendo a dançar. Não sabem mais dançar justinho, com pé de vento, voando por todo o salão.

Um grande amor tem que saber dançar.

Um amor que saiba dançar.

Comentários

  1. Na sutileza dos versos...Amarguras!
    Carregando o fardo da desilusão, um amor que não preenche.
    Em uma oportunidade: da angustia à razão, do inconsciente ao desejo.
    Anjos que voam, uma doce visão...
    o amor que te lança...
    em uma dança...
    a conquistar um coração!
    *(dança comigo?)
    bjo
    Taki

    ResponderExcluir
  2. ... e amores que saibam - principalmente - amar! (Fábio Fabrício Fabretti)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Árvores Floridas