Não há álibi para a existência




BAKHTIN, 1926.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Amores mortos