A outra ou outra.

Esses dias alguém me disse, que lhe disseram, que existe uma diferença enorme entre ser a Outra ou outra. Nunca tinha pensado nisso, mas é verdade. Assunto delicado pois em se tratando de amor a coisa é sempre complexa. Porque penso que as pessoas não escolhem a quem amar, podem apenas escolher o que fazer com isso. E ai que a coisa esquenta.

Ser a outra ou outra faz toda a diferença, não para o sujeito, mas para a amante. Se você é a outra o sofrimento não será opcional, ele vem com a relação. Qualquer relação tem sua carga de sofrimento, mas nesse caso é sofrimento de outro tipo, é um sofrimento de espera.

Uma mulher fica nesse lugar por diversos motivos, muitos deles desconhecidos, inconscientes. Já conheci algumas situações em que isso ocorria pois a amante em questão não conseguia bancar um relacionamento de verdade, e tinha profundo medo de se envolver, então nesses casos, homens casados são perfeitos.

Mas e quando acontece? Tipo acidente? Eu confesso que não acredito em acidentes, a gente vai atrás. Mas e se acontece? Bom, dai é sofrimento certo. Em outras palavras, você está ralada!

Mas claro, existem poréns aqui. Se o cara não é um criminoso costumaz, ou seja, se trair a esposa não é um hábito, se ele não faz isso seguidamente, e se para ele também foi um acidente a coisa é diferente. Tenho uma amiga que diz que trair é como matar, depois que se faz uma vez nunca mais se para. Porque se o sujeito já está em pecado, segue pecando. Um a mais ou um a menos, que diferença faz?

Se é a primeira vez que ele mata, o esquema é outro.

Mas uma amante está ralada, raladinha, triturada se o cara for mesmo um infiel nato. Ai minha amiga, prepare-se para sofrer.

Porque quando estamos apaixonadas, todos sabemos, a razão não ajuda.Então você sabe que vai se ralar mas não consegue sair daquilo. E o sujeito sabendo de seu afeto, vai fazer tudo para manter. Ai minha amiga só a autoestima salva, mas depois volto para autoestima.

Se você é outra na vida do cara, o que significa que você sabe que além de você o cara tem outras por ai, então o tipo de cara que ele for não faz muita diferença. Porque, provavelmente, você está apenas interessada em sexo. Mas eu confesso que não acredito nisso. Posso ter uma visão romãntica, mas acho que nunca uma mulher está apenas interessada em sexo. Pura e simplemente. Ela pode estabelecer outro tipo de vínculo com o cara, de amizade, talvez, mas sempre vai esperar que o sujeito a considere, ou seja, goste dela. Esse negócio de sexo por sexo só no filme Telma e Louise, e é preciso considerar que o sujeito no caso era o Brad Pitt, e que elas não tinham maiores espectativas, pois, em seguida elas se mataram. Então, a não ser que você tenha planos de suicidio e encontre o Brad Pitt, eu não vou acreditar muito nessa de sexo por sexo.

O que muda é que quando você é mais uma na vida do cara, ele, provavelmente é mais um na sua vida. E ai o jogo dá impate, se ele ligar, bacana, se ele não ligar tem quem ligue. Ai até funciona.

Mais minha amiga, se você for a outra e estiver loucamente apaixonada por um cara casado, a única coisa que posso lhe dizer é MEUS SENTIMENTOS, você está f*. Vai ter que estar preparada para ficar na espera, aguardando o momento da titular liberar o sujeito para que você possa tê-lo. E sim, você vai ficar com a sobra. Nada confortável, dolorido. Ficar com sobra é f*. Por mais que você me diga que ele é maravilhoso, que quando estão juntos é demais, e que ele disse que vai largar a esposa. Ele disse isso??? Provavelmente disse também que o casamento deles vai mal, que quase não tem vida sexual e blábláblá. Sinto, mas não é verdade também. Se é tudo isso e ele não foi embora ainda, então por que tipo de pessoa você se apaixonou? Alguém não muito corajoso, provalmente, ou um comodista.

Repense. Nesses casos tem só uma coisa que salva, autoestima.

Quando você estiver cansada de esperar um ligação, quando você estiver entre amigos e perceber que é a única sozinha ali, porque seu bem está com outro bem, quando você for dormir e tiver que dormir sozinha, lembrando que seu bem deve estar abraçadinho no bem dele, bom ai minha amiga, só autoestima salva.

Vá para frente do espelho, olhe-se. Você merece ficar com a sobra? Você não é boa o suficiente para ter alguém ao seu lado? Para namorar (coisa boa), dar beijinhos e beijões, dormir de conchinha, tomar chimarrão no parque e todas essas coisas boas e bobas que enchem o coração.

Sei lá, talvez eu esteja errada, e nesses assuntos não exista receita, mas tem tanta gente por ai querendo ser amada, amar e tal.

A autoestima salva sempre, porque quando amamos alguém tanto a ponto de começarmos a nos desamar. quando começamos a consentir que o outro nos magoe para ter um restinho de alguém, então é hora de pular fora. E ai só a autoestima permite.

Ser a outra, ou ser outra, o ser a mulher traída, no caso, me parecem todas situações de sofrimento. Mas enfim, a vida não é fácil mesmo, e a única coisa que nos salva é a autoestima. Vá namorar, amar quem pode lhe retribuir de forma inteira. Vá ser feliz.

Nem a outra nem outra, seja você! E quando encontrar um sujeito casado pela frente, faça o sinal da cruz, benza-se e sai correndo. Deus me livre desse tipo de mal, amém.







Comentários

  1. Amém e amém...mas como dói esquecer...esquecer quem talvez só lhe deu resto mas foi o resto mais inteiro que você já recebeu...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos