No Divã


Minha terapeuta aponta sempre os meus dedos machucados.

Na última sessão lhe respondi que são por causa da lavoura.

_Você lavra?

As vezes, respondi displicente.

_Não, na verdade me devoro. E escolhi os dedos para começar.

Começo por eles que são pequenos e agitados. Não param nunca!

Seu olhar implácavel continuou em mim.

Por que os olhos de espanto? Perguntei irônica.

_Esta decidido: vou me devorar inteira. Vou comer tudo e antes de terminar terei outro filho. Irei dar a luz e depois vou comer a placenta, como fazem as gatas. Depois lambo minha cria e deixo ela para o mundo. Termino então de me devorar.

O que foi? Por que a cara de nojo?

É isso mesmo, e você, nem ninguém, tem nada com isso.

Comentários

  1. Quando veio esse papo de dedos parecia que o texto tomaria outro direcionamento...(sendo que se "ninguem tem nada a ver com isso" bom mesmo tecer comentarios inuteis como esse).

    Nao sei como a coisa anda pelos teus reinos, mas aqui chove INSISTENTEMENTE durante TODOS os minutos desse dia. A lei criminalizante que tu criou ali em baixo tem que abri brecha para alguma excludente eis que em breve vou enlouquecer e sair para a rua ainda que seja apenas para molhar as meias dando uma volta na quadra. Ficar em casa poetizando o DILUVIO meio que TEM LIMITE.

    ResponderExcluir
  2. .roía as unhas. é que sentia que crescia pelos dedos.

    .interessante esse teu lugar de arroubos e espantos roucos. também nas minhas quintas virtuais ardem essas coisas que tumultuam pele e pensamento.

    .paulo amoreira.
    http://www.fotolog.com.br/daimon

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!