Não, não estou de acordo com Clarice...


"O pessimismo passou, mas o bom propósito não: farei o possível para não amar demais as pessoas, sobretudo, por causa das pessoas. Às vezes o amor que se dá pesa, quase como uma responsabilidade na pessoa que o recebe. Eu tenho essa tendência geral para exagerar, e resolvi tentar não exigir dos outros senão o mínimo. É uma forma de paz...
Também é bom porque em geral se pode ajudar muito mais as pessoas quando não se está cega de amor."


Clarice Lispector
A questão é não exigir, mas o mínimo também não dá. Amar é bom, amar exageradamente é colorido, intenso e dói. Mas doer dói sempre e como diz Marcel Proust "Aqueles que amam e os que são felizes não são os mesmos". Então aceitando a dimensão de sofrimento que todo grande amor comporta, e todo grande amor, só é bem grande se for triste, já disse Vinicius de Moraes.
Para se ter um grande amor é preciso pagar o preço do sofrimento. Quanto mais amamos, mais precisamos do outro e mais temos medo de perdêr o objeto amado. Amor, necessidade, temor andam juntos.
Então se é para amar, o mínimo está fora de questão. Não dá para exigir, e o peso é o susto natural. Um dia assustamos um dia somos assustados pelo que pesa no amor.
Mas é tão bom morrer de amor e continuar vivendo... (não nem tanto, hehe).

Comentários

  1. Andréa:
    Concordo contigo, mas os versos da Clarice me fizeram lembrar de uma questão que considero fundamental: "preciso de ti porque te amo ou te amo porque preciso de ti?".

    Mudando de saco pra mala. Sabes da Michele?! Respondi ao mail dela, mas voltou... o blog dela não abre... Sinistro... Muuuito sinistro...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. (Nunca tive um filho), mas não seria uma espécie de amor de mãe? Gratuito mesmo...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Árvores Floridas