Desamparo


E não me digas que sou sensível meu amigo. Não sabes tu que meu desamparo é hereditário?

Anos de construção foi o que levei para fingir que não sentia. Muitas noites de fuga foram necessárias, tantas máscaras construi para, enfim, esquecer de lembrar de tudo aquilo que perdi.
Bem se vê que não sabes onde pisa. Tem fundo falso o chão que te sustenta. Tudo pode ruir num segundo, e sabe lá onde você vai parar.
Vai aprender que nem sempre se sai impune de tão doce tolice.
Por que alguns desamparos exigem apenas uma oração, mais nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos