Medo liquido





Aos 19 anos eu trabalhava no colégio Israelita de Porto Alegre.

Um dia estava eu na sala dos professores olhando na janela, quando percebo uma Kombi estacionada do outro lado da rua. Na Kombi havia algo escrito. Fiquei perplexa, apavorada, impressionada! Do outro lado da rua havia uma Kombi estacionada em que estava escrito PALESTINA!!!!

Certo que era uma Kombi-bomba!

Passado alguns segundos de pânico, a razão retornando aos poucos para o corpo, comecei a refletir " muita burrice mandar uma Kombi-bomba com nome do remetente, não é mesmo?".

Pois é, era só a Kombi da Pastelina que estava ali para reabastecer o estoque do bar da escola...

Pequena lição. Quando vivemos em alerta e com medo, acabamos por ver perigo onde não existe. E se estou armada, já imaginou? Pensando salvar as criancinhas da escola, acabo matando o tio da Kombi!

Õ pobre nem sonha o risco que correu naquela manhã.

Comentários

  1. Que história fantástica e ao mesmo tempo triste ,porque com a violência que vemos a toda hora ,no mundo todo é assim que nos comportamos.Agredindo psicológicamente e as vezes verbalmente para nos defender...
    Adorei o post...Bjooo...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Árvores Floridas