Ditadura do orgasmo.





Eu estava escrevendo sobre outro assunto, ai fui ler o post "Orgasmo e corporativismo feminino" blog do Salo e resolvi escrever sobre o tema. Já havia escrito algo em Ponto G ,

A sexualidade feminina parece um tema confuso ainda, não só para os homens, como também para as mulheres. Quando vamos tratar do assunto o primeiro ponto "G" a ser observado é que a sexualidade da mulher é diferente da do homem. Não apenas por questões fisiológicas, mas também por questões históricas, religiosas e culturais. Se no ocidente muitas mulheres ainda se escondem sob véus, por aqui a maioria deseja rasgar todos. Se por aqui tem muita mulher fingi orgasmos, por lá é preciso disfarça-los.
Lendo a campanha "Não finja orgasmo", fiquei com a impressão de que a responsabilidade pelo orgasmo feminino está nas mãos dos homens. E não está. Isso é dar poder a quem não tem, não completamente, pelo menos (sorte nossa).

O que as mulheres não entendem - por tabu, medo, puritanismo ou vergonha- é de que o orgasmo feminino está nas suas mãos, ao alcance dos seus dedos. Sim a masturbação feminina é o ponto em questão.

Masturbar-se é conhecer seu corpo. E por incrível que pareça o tema ainda é cercado de polêmica. Por exemplo, existem mulheres que não admitem que seus parceiros se masturbem na sua ausência. Está mesmas mulheres não devem se masturbar sem o consentimento do parceiro. Na crença de que partilhar o desejo, e o gozo é algum tipo de fidelidade. As pessoas relatam se sentir traídas ou excluídas quando isso acontece.

Antes de deixar que o outro te toque, é preciso descobrir onde você quer ser tocada. Existem muitas formas de atingir o orgasmo, das mais simples, as mais complexas e incomuns. Não existe um padrão. O consultório dos psicólogos é cheio de exemplos. Tem gente que se satisfaz da forma tradicional, papai-mamãe, e está tudo bem. Já outros precisam de mais adereços, condicionam o gozo a objetos ou posições, palavras.

Os homens são muito mais sensoriais. A visão e audição são importantes meios para atingir o orgasmo. Existem várias explicações para isso. Se alguns gostam de diálogos picantes durante a relação, outros podem ficar muito ofendidos.

O cara pode, cheio de más (boas) intenções escolher um filme pôrno para assistir com a parceira e acabar esfriando a noite. Ela pode não gostar de ver a cena, mas de sentir; ele pode querer acender a luz, ela apagar ; ela de lamber orelha e ele dedão; um de vinho, o outro cerveja.

Existem muitas possibilidades e combinações. No entanto é fundamental que a mulher conheça seu corpo, para que tenha posse dele, saiba o que lhe dá prazer para então poder dar as dicas ao sujeito. E diferente do que prega a campanha, acredito que, o homem pode ser fantástico de cama (abençoados sejam!) e mesmo assim a mulher não atingir o orgasmo. O contrário também é verdadeiro, o cara pode ter pouca experiência, ou ser ruim mesmo, e a mulher atingir um orgasmo lunar.

O que é isso? Dupla, química, pele, momento, auto-estima. São vários os fatores envolvidos. Para nós mulheres então, quando tudo isso rola, as vezes não é preciso chegar a cama para atingir esse tal de orgasmo.

Afeto está sempre envolvido, é verdade. Se a mulher se gosta ela vai se presentear com orgasmos, vai querer fazer feliz uma pessoa importante. Ela mesma. Não sei se por sorte nossa, ou azar, precisamos bem mais que um homem bonito para um orgasmo. Gentileza e carinho são palavras chaves. Se tiver química então, feliz da moça.

Hoje em dia ainda vemos as mulheres se debatendo com questões como ir ou não para cama com o cara na primeira vez. Bom, isso depende do cara, da dupla, do toque. As mulheres ainda estão presas entre o modelo antigo da mamãe e as novas-avassaladoras-devoradoras-mulheres-mulheres-modernas-de-múltiplos-orgasmos!!

Vamos meninas, libertem-se. Procure conhecer o seu desejo. Se você não tem orgasmos múltiplos, não se culpe, se tem aproveite. Se seu orgasmo só acontece através dos seus dedinhos, não se ache estranha, seus dedos são do bem! Se seu parceiro ama sua calcinha fio dental, não em você, mas nele, não estranhe também, a não ser que ele saia para o trabalho com ela, nessa área não tem regra e nem receita.

Não envolvendo menores, crianças indefesas, entre dois adultos, consentido vale tudo.

Não finja orgasmo, é verdade, mas também não coloque ele no altar do sexo. Sexo é muito mais que isso, sexo é uma viagem, sozinha ou a dois, o orgasmo um fim de linha, ou reembarque. De qualquer forma aproveite o trajeto que, naturalmente, você chega ao ponto final.

Comentários

  1. Muito interessante teu post!

    Me lembrei desse meu aqui:

    http://somepills.blogspot.com/2008/09/simples-muito-simples-as-coisas-so-bem.html

    ResponderExcluir
  2. Li e gostei!
    É isso ai, as criaturas ficam atrás do ponto G e de orgasmos multiplos e esquecem de curtir.

    Eita povo sem imaginação!

    ResponderExcluir
  3. OK, concordo.
    Mas a parte do texto veiculado pelo Salo que alerta para o fato de que fingindo o orgamos a mulher colabora para que o homem nao se aperfeicoe deve ser MUITO considerada.
    Eu acho pelo menos.

    Tem nego que curte um "me engana que eu gosto"...PALHA.

    ResponderExcluir
  4. Em parte,

    A mulher que fingi engana, antes, ela mesma. Ela não se aperfeiçoa no conhecimento e na busca do prazer dela. E se for relacionamento mais longo, algo está errado, pois ela não está conseguindo dividir com o cara algo importante.
    Aperfeiçoar não é o termo. O lance é gostar da coisa, e gostar da mulher, juntos descobrem, juntos se aperfeiçoam. E mais uma vez, o cara pode ser o "aperfeiçoado", com tecnicas ninjas na cama e mesmo assim não rolar!

    ResponderExcluir
  5. Não me pareceu, em nenhum momento do texto da campanha, que o homem fosse 'responsabilizado' pelo orgasmo feminino. Pelo contrário, a fina ironia do texto deixa esta possibilidade no ridículo.
    Embora, no senso comum dos machos, isso possa ser uma variável constante - 'ser o responsável pelo orgasmo'.
    Assim, ao simplesmente não fingir (para quem se finge? é outra questão interessante), cria uma situação de confrontação, colocando a 'onipotência masculina' no seu devido lugar. Qual o devido lugar: o lugar de que não é ele o responsável (mas que pode dar uma ajudinha).

    ResponderExcluir
  6. Salo, acho a campanha ótima, vale a brincadeira e a ironia. Se você finge o sujeito não melhora a sua performance.
    A partir disso fiquei refletindo que orgasmo e desempenho não estão, necessariamente, vinculados. E o fato de uma mulher não atingir o orgasmo e não fingi-lo não deveria ferir a onipotência masculina, uma vez que vocês não são os responsáveis diretos. O orgasmo pode não ser atingido, e nem por isso o sexo deixa de ter sido bom ou o encontro especial. Só acho que se faz muito drama nesse assunto. Orgasmos multiplos, performance, mérito, fingimento...qualquer dia seremos pontuados.
    Fingir orgasmos está antes ligado a uma questão feminina, desejo de agradar, auto-estima, consciência corporal, desejo...

    ResponderExcluir
  7. "Se a mulher finge, mente para ela mesma, engana a si mesma sobre seus proprios desejos e sentimentos. Sem falar que a insatisfação dela não poderá ser escondida por muito tempo, podendo ocasionar mais problemas na relação.

    Concordo que antes de mais nada a pessoa deve conhecer a si mesma, saber o que lhe da prazer"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!