O dia em que fui miss.


Um dia eu fui miss, pasmem!

É verdade que fui uma miss de mentira, mas isso foi só um detalhe técnico do enredo.

Aos 15 anos eu vivi uma pequena aventura em uma cidade do interior aqui no sul. Na época eu estava no 1a ano do segundo grau. Encontrei no bar da escola algumas conhecidas, entre elas havia uma menina que não era da escola. Discutiam um problema em busca de uma solução urgente. Então me contaram, haviam acertado de viajar no outro dia para o interior com essa menina, iriam desfilar em um evento. A questão é que uma delas não poderia ir mais e o grupo estava desfalcado. No meio da conversa me convidaram para substitui-la.

Eu?? Claro, não tenho nada para fazer amanhã mesmo.
Detalhe, na adolescência meu apelido era Fafá de Belém, e vocês imaginam o motivo e eu tinha 10 quilos a mais do que tenho hoje, ou seja, era uma adolescente gordinha. Mas como sempre fui abençoada com uma boa dose de autoestima nunca me importei e embarquei para meu dia de miss com duas desconhecidas.

Aventureira e livre, sempre gostei de pagar pra ver. Algumas horas de viagem depois desembarcamos. O organizador do evento era irmão de uma das meninas, foi nos buscar na rodoviária. Assim que entramos no carro ouvimos no rádio o anúncio do evento e a participação ilustre da miss Rio Grande do Sul, Miss Porto Alegre e miss não sei o quê!

O organizador avisou que iríamos direto ao "magazine" da cidade para escolher as roupas do desfile. Cortesia do maior magazine da cidade, e patrocinador.

Vambora! Chegamos lá a loja inteira a disposição das misses. Realizada escolhi um vestidinho preto para disfarçar as formas adolescentes arredondadas.

Uma arrumou a outra, numa época em que chapinha não existia e eu ainda não possuía um kit maquilagem salva-vidas.

Quando chegamos ao evento, surpresa, o lugar estava lotado!!
Ficamos em uma sala separada, era um concurso de beleza. Depois de desfilarmos, seríamos juradas da competição.
As meninas estavam muito nervosas, e uma delas comentou " vocês não devem estar nervosas, tem muita prática ?", e eu respondi " Você nem imagina, mas empre dá um friozinho na barriga..."

O palco era imenso, o salão lotado, não dava para desistir e no auto-falante o anúncio Andréa Be-alguma coisa (nunca acertam) miss Porto Alegre! Hahahaha...

Lá vamos nós, pensei.
Deste momento glorioso só lembro que havia uma turma de meninos que aplaudiam eufóricos o a fato de eu estar de vestido curto em um palco tão alto. Quando estou nervosa faço tudo no automático. Além dos meninos não registrei mais nada.

Depois disso vieram as meninas. Havia uma linda, certamente a mais bonita, mas era muito antipática. Entrou com ares de já ganhei. Anotei esse detalhe".
Os jurados estavam reunidos para decidir, e claro ela havia sido bem pontuada. Quando começamos a discutir o tema, defendi a idéia de que uma mulher precisa ter mais que beleza, tem que ser simpática e ter um "tcham" a mais. De que a antipatia da candidata diminuía a beleza dela e que o título tinha que ir para outra menina.

Pasmem, todos concordaram! Descobri ali o poder de persuasão e manipulação que move as mulheres, invejosas ( naquele caso eu) hahaha.

Prazer à parte o momento do anúncio. A antipática levou um choque! E eu me diverti com a reação dela e fiquei feliz com a felicidade da outra menina que ganhou, porque não sou tão malvada assim. Alegria de uns, tristeza de outros.

Pra fechar, bati muitas fotos com patrocinadores, autoridades e fãs... muito engraçado! Nunca vi estas fotos, nem quero. Aproveitamos a noite entrando em vários lugares, comendo e bebendo de graça.

Adorei ser paparicada, e voltei da viagem convicta que o povo acredita em qualquer coisa, e se impressiona fácil, basta um título qualquer. E se impressionam tanto que negam a realidade completamente, porque de miss só tinha o fundo branco do olho!

Comentários

  1. hahaha... nenhuma dúvida que são fotos históricas!! tenta achar aí!! :D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

É a vida!

Ser.

Árvores Floridas