Convercê.






Já observou como todo mundo toma água direto da garrafa?
Você não toma?
Eu tomo. Adoro. Água bem gelada, direto da garrafa de pijama, em frente a geladeira.
Nem chega a dar remorso.
Não dá nada não.
É que sou insensível. Desde de pequena.
É que estou ficando velha, e sei lá, espera-se um pouco mais de sensibilidade dos velhos, não é mesmo?
Nada mais grotesco que velho grosseiro. Por que?
Sei lá, porque estão perto da morte e deveriam terminar a vida com mais dignidade.
Mais felizes. Se sabe, aproveitar os últimos dias intensamente.
Mas pensando bem, quem em sã consciência vive toda uma vida e termina ela feliz?
Olha se você não teve uma infância feliz, provavelmente não terá mais nenhum período da sua vida de felicidade.
Felicidade só é possível com rala memória e inconsciência, como os bebês e as crianças de pouca idade, ou os velhos com esclerose.
Não, pensando bem, natural chegar ao fim da vida deprimido e com cara de velho maluco, porque viver enlouquece.
Mas a natureza é sábia, lá no final, quando já não suportamos mais, ela nos rouba a memória e a razão, voltamos dóceis para inconsciência.
Eu? Oi? Oi?
Não, não, brincando com você, eu entendi sim sua pergunta.
É que dizer oi seguidamente é uma técnica que eu uso para despistar sujeitos sabe?
Sujeitos com quem eu não quero falar.
Áh tá, mas sim, você me perguntou se eu sou feliz.
É posso dizer que sim, nas sextas, é nas sextas, e nos dias de sol com vento fresco.
Mas especial mesmo são os dias de chuva pela manhã, principalmente quando não tenho que levantar...áh, isso é a gloria.
E claro, sou feliz quando bebe água na garrafa , de pijamas.
Sou feliz também quando deito na minha cama e o lençol está limpinho e sem nenhuma bolinha.
Ai que delícia, tiro as meias, sim porque pra ser bom tem que deitar de meias, e só então, embaixo do edredom, tirar as meias...áh, e sentir o lençol geladinho.
Isso me faz feliz também.
E quando está muito quente você coloca só um pé para fora, e ai a temperatura do corpo esfria.
São técnicas que desenvolvi ao longo dos anos...sei lá, tenho muitas.
Dormir sozinha ou acompanhada?
Depende, acompanhada o melhor mesmo é não dormir!
Mas a verdade é que marido mesmo só serve pra duas coisas, comprovado, dizem as pesquisas dos psicólogos ingleses.
Servem pra colocar a culpa, sempre, e pra esquentar a cama.
Se eu concordo?
Em parte, na verdade servem também pra matar baratas.
Não, no fundo só o primeiro marido é um engano, um erro necessário.
Sabe como é, você não casa com o cara porque ama, você casa com o cara que fecha melhor com sua loucura.
Casamento de neurose, a gente não casa com que vai nos trazer felicidade, balela, a gente casa com quem vai nos permitir adoecer, e a vida é tão insuportável que a gente casa pra ter em quem jogar a culpa pelo desespero de existir.
De ter que existir, acordar todo dia, pagar contas, cuidar da casa do corpo da cabeça.
Jesus!
Se sinto saudades?
Pouco, muito pouco. Na verdade eu tento.
Tento porque acho importante ter saudades, ter de quem sentir falta, ficar lá de perna pro ar, pensando no sujeito.
Mas nunca dura muito, porque, apesar de tentar eu quase nunca consigo e você sabe...os sujeitos são tão, tão...desinteressantes.
Tudo meio hibrido, invertidos.
Não, mas eu acho que vou sentir saudades, um dia, talvez, quando encontrar um homem mais homem que eu.
Pensando bem...acho que não.
Eu sinto saudades do meu cachorro, que morreu, e acho que já está de bom tamanho.
Bom, mas é isso, o que realmente me faz feliz é beber água na garrafa, deixar na geladeira e não impedir que os outros venham e bebam na garrafa babada.
Deve ser algum tipo de vingança, ressentimento por ter vindo ao mundo.
Pequena revanche familiar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos