Cabaret Macunaíma - Buenos Aires.


Fico sem palavras para definir o que foi o "Café Macunaíma" de Buenos Aires. Todo os momentos com o grupo foram especiais, e o Café Macunaíma, foi o grande final. O Luis tomou o centro da cena para dizer o uma frase que me marcou "O Café Macunaíma é a forma de resgatar o corpo que o Direito me roubou", a idéia geral da frase é esta. Fantástico! Aquilo tudo que o Direito captura... O café é essa grande proposta de resgate da sensibilidade.
Uma proposta de resgate que vai muito além do Direito, sem dúvida, é um resgate do afeto enquanto sociedade. Precisamos deixar de chafurdar na violência e tirar do altar da modernidade essa racionalidade desprovida de afeto. Em que momento começamos a acreditar que razão e sensibilidade não caminham juntos? Em que momento passamos a acreditar que sensibilidade é menos?
Muita coisa aconteceu por lá, e eu sempre lenta fico um tempo processando as informações e os sentimentos...Quando o Luis dizia que nas escolas da magistratura deveria ser ensinado dança, não compreendia bem o que ele queria dizer. Você confiaria em alguém que não consegue tirar os sapatos?? E em um juiz com capacidade afetiva embotada? Um juiz de rala sensibilidade? É um risco imenso ser julgado por alguém assim.
Bueno, em uma das nossas dinâmicas a Marta iniciou pedindo que todos tirassem os sapatos e os homens as gravatas.
Pós dinâmica analisávamos as resistências dos sujeitos. Veja, resistência, nada mais é que mecanismo de defesa do ego, o que significa que ela está lá a serviço de algo. Está lá para proteger o pobre ego, portanto se resistem algo buscam proteger e olhando desta forma não devemos "atacar" de cara o sujeito que ali se apresenta. O processo deve ser algo como um desfolhamento gradual, como os realizados em terapia.
Na nossa conversa perguntei para Marta: Marta você sabe o que pede simbolicamente a estes sujeitos?
Vejamos, simbolicamente o que ela pede de cara os sapatos e as gravatas poderia ser assim traduzido: por favor me entreguem seus pênis senhores professores, advogados, juízes e derivados. Hahaha, sim desculpa, não sou eu que digo isso, quem diz é o Freud e o Lacan!
Você do direito que está lendo isso agora sabe, mais que eu, que estes homens não podem ser CASTRADOS assim de cara! Que ninguém quer entregar seu pênis assim, de primeira.
Sim castrados pelo pedido de um feminino ameaçador, que fica lá propondo maior capacidade afetiva em troca de seu pênis-poder.
O que vale o risco é que o resgate da sensibilidade viabiliza resgate da criatividade banida do mundo do Direito.
O Jung tem uma frase certeira "O CONTRÁRIO DO AMOR NÃO É O ÓDIO, É O PODER".
Claro que o grupo de Buenos Aires entregou sem problemas porque o clima era outro. E o "Café Macunaíma" aconteceu no melhor estilo portenho, carregado de afeto, intensidade, sensibilidade e criatividade.
O inusitado, não tínhamos um lugar para realizar o café e uma pessoa do grupo ligou para uma amiga, que não conhecia absolutamente mais ninguém do grupo, e que aceitou nos receber em sua casa, detalhe éramos uns 30.
A pergunta que atravessou a noite : o que é o amor?
Minha contribuição no café foi uma poesia,
Recitei acompanhada pelos sons da capoeira (Abdalla no violão) e pela cena do jogo de capoeira (Eduardo e Marta, ou Carmem e José, como queiram) ficou LINDO, segue:
O jogo amoroso ou a dança amorosa?
No jogo um ganhador e um perdedor.
Na dança dois movimentos e uma vitória.
Na capoeira uma dança, um jogo.
*
Amor é capoeira!
Luta e ternura
Confronto e prazer
Dois e um.
*
Passo? Compasso.
Ritmo de luta e laço.
O amor é capoeira.
*
O corpo?
Um gozo
De luta e de laço.
O amor é capoeira.
*
O olhar?
Contato. Ameaça.
De luta e de laço.
*
O cheiro?
De guerra.
Movimento. Enlace
O amor é capoeira.
*
E puxa?
Repulsa.
Pega e invade.
Movimento de luta e de laço.
*
Calor e pele.
Suor.
De luta e de laço.
O amor é capoeira.
*
É vida?
É morte?
Encontro e perdição.
O amor é capoeira, luta e laço.
Contradição!

Comentários

  1. Detalhe, a menina da foto não é minha filhota.

    ResponderExcluir
  2. Linda poesia, para uma linda noite!
    Já salvei aqui! Encontro outras poesias suas no seu blog?
    Foi um prazer conhecê-la em Bua.
    beijos
    Eduardo (Juan)
    eduardofdufg@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Oi Eduardo.
    Linda noite mesmo!
    Sim aqui no blog todos os textos e poesias que não tem nome do autor são meus. Álias, aproveitando, acho que devo assiná-los.
    O prazer foi meu em conhecer pessoas tão bacanas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Bacana Michele,

    fico feliz que goste, é muito legal saber que o que escrevo, de alguma forma,toque as pessoas.

    Pode deixar, continuarei escrevendo. Não tenho escolha.

    Um beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!