Provocação.



Para Albano,
Nunca estamos nus. Sempre estamos nus. Depende do olho. Do olho de quem vê.
Capturamos a nudez do outro? Ou o outro traduz na captura nossa nudez?
A provocação vem sempre de dentro.
É o outro fragmento, e nós?
Espelhos.

Comentários

  1. Nossa nudez é a nudez do outro, de "alteru", um outro entre dois. A nudez é deste outro entre dois. A captura se faz no acordo tácito, nunca explícito entre dois ao produzir este outro. Ficção, invencionice, surto psicótico? Não sei nem quero saber. A captura nunca vem de dentro de nós monadas, mas de fragmentos que esperam ser juntados pelo desejo deste "outro" que não é espelho, apenas nossa possibilidade de sermos desejantes, um e outro, outro e um. Eis o mistério da paixão ao confundir-se com o amor. Como capturar tua nudez se não capturas a minha? Existe no meu entendimento uma palavra "aurática" que pode traduzir tal estado de extase: ENTREGA, ou seja, deixar-se levar...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

É a vida!