terça-feira, 22 de setembro de 2009


Para me refazer e te refazer volto ao meu estado de jardim e sombra
fresca realidade, mal existo e se existo é com delicado cuidado.
Em redor da sombra faz calor de um suor abundante. Estou viva.
Mas sinto que ainda não alcancei os meus limites, fronteiras com o que?
Sem fronteiras, a aventura da liberdade perigosa.
Mas arrisco, vivo arriscando.
Estou cheia de acácias balançando amarelas,
e eu que mal e mal comecei minha jornada, começo-a com um censo de tragédia
adivinhando para que oceano perdido vão meus passos de vida.
E doidamente apodero dos desvãos de mim, meus desvarios me sufocam de tanta beleza.
Eu sou antes, eu sou quase, eu sou nunca.
Clarice Lispector.
Água Viva.

Um comentário: