DENÚNCIA violência no Barra Shopping de Porto Alegre.


Ontem fui jantar com uma amiga no Barra Shopping, o novo Shopping da Zona Sul e ela contou algo muito sério. Estava ela, em outro momento, entrando no shopping com o namorado e ouviu gritos. Logo ali, ao lado dos restaurantes que ficam de frente para o Guaiba construíram paredes altas de madeirinhas. São painéis de madeira que eles colocaram para tapar algumas partes.


Bom a questão é que do outro lado os seguranças espancavam um adolescente. Vários seguranças. E pela madeira vazada dava para ver. Eles começaram a gritar e rapidamente os seguranças dispersaram e "sumiram" com o guri.

Eles foram até a segurança reclamar e ligaram para a BRIGADA. A BRIGADA MILITAR não veio, porque será? Será que algum policial é segurança por lá?
O chefe da segurança deu uma longa explicação sobre os motivos daquela agressão.

O guri era um "drogado", havia atacado um casal que preferiu não dar queixa e também estava tentando furtar no Big.

E eu pergunto: E DAI?

Os seguranças agora são policiais (talvez) e juízes? Prendem, julgam, condenam e aplicam a pena.Tudo ali na hora, tão eficiente quanto a justiça chinesa.
Essa confusão de papéis é inadmissível. Não cabe a eles e ponto, não tem discussão.

Construíram o Shopping no meio da maloqueirada? Ao lado da vila Cruzeiro? Que encontrem outras formas de dar conta da violência que vem bater a porta.
Mas mais uma vez,

NÃO PODEMOS ADMITIR QUE NENHUM DISCURSO NOS CONVENÇA DE QUE A VIOLÊNCIA ARBITRÁRIA, DE MUITOS CONTRA UM, SE JUSTIFIQUE.

NÃO PODEMOS, ATRAVÉS DO DISCURSO SOCIAL, AUTORIZAR QUE SEGURANÇAS E POLICIAIS AGRIDAM AS PESSOAS.
O QUE AS PESSOAS NÃO ENTENDEM É QUE VIOLÊNCIA NÃO TEM CONTROLE, QUE HOJE É ESSE SER "INSIGNIFICANTE" SOCIALMENTE, O DROGADO, O VAGABUNDO, O ZÉ NINGUÉM. SE ACREDITARMOS QUE ESTES PODEM APANHAR E MORRER, AMANHÃ A VIOLÊNCIA SE VIRA CONTRA NÓS, CONTRA NOSSOS FILHOS.

MEU FILHO VAI NESTE SHOPPING, SE UM DIA ELE, DE ALGUMA FORMA, TRANSGREDIR OU DISCORDAR DE ALGO POR LÁ, EU QUERO TER A GARANTIA DE QUE NINGUÉM IRÁ MACHUCA-LO, DE QUE EXISTEM MEIOS, EXISTEM LEIS, E ISTO TEM QUE SER SEGUIDO.

SE EU PERMITO QUE FAÇAM ALGO ASSIM COM O FILHO DOS OUTROS ENTÃO EU AUTORIZO QUE FAÇAM ISSO COM O MEU!

FICA AQUI MINHA INDIGNAÇÃO. DIVULGUEM!

ISSO ME FEZ LEMBRAR...


Maiakovski
Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro
Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário
Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável
Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei
Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.


Bertold Brecht (1898-1956)

Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.
Como não sou judeu, não me incomodei.
No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei.
No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico.
Como não sou católico, não me incomodei.
No quarto dia, vieram e me levaram;
já não havia mais ninguém para reclamar...
E SIGO PEDINDO, COMO MERCEDES SOSA "EU SÓ PEÇO A DEUS QUE A DOR NÃO ME SEJA INDIFERENTE"

Comentários

  1. Credo!

    E eu vou de Che Guevara: Se você é capaz de tremer de indignação cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros.

    ResponderExcluir
  2. A questão é: e nós? Os "indignados", continuaremos a frequentar aquele belo local, seus restaurantes, lojas e cinemas? Do que somos realmente capazes de abrir mão? Qual o tamanho da nossa conivência? beijo querida, precisava dizer isso...

    ResponderExcluir
  3. "Para os oprimidos, o estado de exceção é a regra. Precisamos construir um conceito de história que corresponda a essa verdade."

    (Walter Benjamin, 8a tese sobre a história).

    ResponderExcluir
  4. Pra variar, lamentável. A (con)fusão público-privado não tem limites...

    ResponderExcluir
  5. Ontem estava jantando na praça de alimentação do Barra Shopping quando tive minha bolsa furtada. Ao regeistrar o Boletim de ocorrência o Sr. que fez o registro me informou que os assaltos nesse shopping são diários. Não só consumidores, mas lojistas são assaltados dentro de suas próprias lojas e o maior número ainda é no estacionamento, com registro de furtos e depredações.
    Acho bom começar a divulgar isso, pois se a administração do shopping já tem conhecimento de que isso acontece, por que ainda não tomaram providências mais rígidas para sanar o problema?
    Eu mesma estou encaminhando um relatório para a Zero Hora e como sou advogada vou intentar uma ação de responsabilização contra o shopping. Se as pessoas não fizerem nada, esse caos social que se instalou em Porto Alegre vai continuar.
    http://paolavalduga.wordpress.com

    ResponderExcluir
  6. Eu era segurança do barra... Eles pagam policiais para acoberta eles, podem conferir as motos dos pm estão no 1 subsolo bem no canto são motos pretas. E os supervisores de segurança obrigam os vigilantes a agir de tal forma, caso contrario esta demitido. É claro que isto acantecia antigamente, eles levaram tanto processo que mudaram a filosofia. Agora quem mais se ferra são os funcionarios que são tratados como escravo, tem direito de ir 2 vezes no banheiro por dia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos