águas escuras


E eu que nem mesmo sou fascinante
vivo de vésperas
vida suspensa


E eu que sou uma afogada
vejo luzes que não existem
mãos que quase salvam
quase tocam
mas nunca alcançam


E eu que estou cansada
de tantas expectativas
queria muito...desistir
mergulhar no escuro denso destas águas
ouvindo a voz do grande amor que nunca veio.

Comentários

  1. ... maldita sala de espera que é esse nosso coração...

    ResponderExcluir
  2. Pois é... não resististe e voltaste ao diálogo com este outro que não tem rosto, cuja presença acontece fantasmicamente. Quantos de nós desistem, pura e simplesmente. Quantos de nós insistem, pura e simplesmente. Parece-me que vivemos a espera do esperar; a desistência do desistir.
    Albano

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos