Meu amigo Moysés.

O mestrado me deu alguns presentes, a amizade do Moysés foi um deles.
Não posso falar muito dele, porque ele é um cara discreto.
Mas posso falar de algumas memórias,
Daquela, por exemplo, em que me afoguei em uma piscina de caipirinha e que lembro, vagamente pois me afogava, da voz preocupada do amigo que me oferecia água.
Ou de todas as vezes que com muita paciência me assistiu chorar depois de beber. Sim porque sempre choro, é quando descubro que sou triste.
Mas para não apresentar apenas memórias alcoolizadas, quero dizer que a amizade dele tem um valor imenso.
E tem valor porque estar com ele é ter a oportunidade de uma conversa franca, intensa e ácida, quando não estou me afogando isso é possível.
Fechando, sei que não gostas, mas uma parte tua que me diverte, quando te percebes conservador e fica furioso.
Sei que odeias, mas adoro isso.
Afinal o reverso do homem genial e livre é um pequeno burguês conservador,
hahaha...não me odeie!

Comentários

  1. Adorei!
    Tu é uma grande amiga!
    Beijão

    PS: Ainda me lembro BEM da piscina de caipirinha! Piscina OLÍMPICA...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Árvores Floridas

Ser.

Amores mortos